Arquivo da tag: corpo

Jack Reacher: O Último Tiro Torrent – BluRay Rip 1080p Dual Áudio (2012)

Novo Anuncio

Jack Reacher - O Último Tiro Torrent - BluRay Rip 1080p Dual Áudio

Sinopse: Jack Reacher: O Último Tiro Torrent – BluRay Rip 1080p Dual Áudio (2012) Um crime brutal foi cometido contra cinco pessoas ao mesmo tempo e um atirador de elite, veterano de guerra, foi acusado pelos assassinatos sem muita chance de defesa. Durante o interrogatório, ele cita apenas o nome de Jack Reacher (Tom Cruise), um ex-combatente com inúmeras condecorações, dado como desaparecido para o governo e autoridades. Só que ele aparece do nada e resolve investigar por conta própria o tal mistério. Sua teoria é que existe uma ligação entre as mortes e o verdadeiro responsável tem outros interesses, procurando desviar a atenção. Só que Jack não desiste da verdade e tem um jeito especial de fazer a sua justiça, doa a quem doer.

»INFORMAÇÕES«
Filme: Jack Reacher: O Último Tiro
Formato: MKV
Qualidade: BluRay Rip
Áudio: Português / Inglês
Legenda: Português
Servidor: Torrent
Gênero: Ação / Crime / Thriller
Tamanho: 2.13 GB
Qualidade de Áudio: 10
Qualidade de Vídeo: 10
Lançamento: 2012
Duração: 2h 10 Min.

BLU-RAY RIP 1080p DUAL ÁUDIO:

DownloadDownload 2ª Opção

Anúncios

Estuprador é caçado, castrado e morto por quase 80 homens em Papua-Nova Guiné

Condenado por estupros e suspeito de canibalismo, homem se passava por pastor luterano.

Um homem conhecido como “Jesus Negro” em Papua-Nova Guiné, que matou uma jovem em um ritual de sacrifício humano, foi castrado e morto a machadadas por uma multidão enfurecida, informou a imprensa local.

Steven Tari, condenado por estupros e suspeito de canibalismo, foi morto em uma remota localidade de Papua-Nova Guiné na semana passada.

O jornal local The National afirma que Tari — que escapou de uma prisão de Madang ao lado de outros 48 detentos em março — foi caçado por quase 80 homens.

De acordo com o jornal, ele foi castrado e morto a golpes de machado. Depois, o corpo foi jogado em um buraco.

Tari, que se fazia passar por um pastor luterano, era amplamente conhecido como “Jesus negro”. Ele foi condenado em 2010 a dez anos de prisão por estupros de mulheres que pertenciam a sua seita.

A polícia local informou que Tari e seus seguidores executaram na semana passada Rose Wagum, de 15 anos, como “sacrifício”. A jovem foi esfaqueada diversas vezes.

O canibalismo e a magia negra são práticas noticiadas eventualmente na Papua-Nova Guiné, um vasto país da Oceania, ao norte da Austrália, que ocupa a parte oriental da ilha de Nova Guiné.

No ano passado, a polícia prendeu dezenas de pessoas acusadas de canibalismo: elas mataram pelo menos sete pessoas e comeram os órgãos das vítimas.

Bebê sobrevive após ter corpo ‘congelado’ por quatro dias.

Médicos britânicos conseguiram salvar a vida de um recém-nascido resfriando seu corpo por quatro dias.

Edward Ives  (Foto Caters)

Edward Ives e os pais: “sonho que virou realidade”

Edward Ives nasceu com apenas 5% de chance de sobrevivência em função de uma taquicardia supraventricular, distúrbio que fazia seu coração bater duas vezes mais rápido que o normal.

Sua mãe, Claire Ives, de 29 anos, que tem outros dois filhos, descobriu o problema em exames no final da gravidez.

Ela tomou remédios para tentar reduzir o ritmo de batimentos cardíacos da criança, mas, como a medicação não deu resultados, os médicos resolveram fazer uma cesárea para tratar o recém-nascido diretamente.

O tratamento pioneiro que terminou salvando a vida de Edward foi colocado em prática por uma equipe doUniversity College London Hospital.

Ele consistiu no resfriamento do corpo da criança de 37 para 33,3 graus Celsius com o uso de uma coberta recheada com gel.

O objetivo era reduzir o batimento cardíaco do bebê, que foi sedado para não se movimentar.

Mas manter o equilíbrio do corpo da criança foi uma tarefa complicada – e médicos tiveram de usar um desfibrilador cinco vezes para evitar que o coração de Edward parasse.

‘Parecia morto’

Edward Ives  (Foto Caters)Coração de bebê começou a bater em ritmo normal no quarto dia.

“Ele estava muito frio e parecia morto”, disse Claire.

Depois de dois dias, médicos permitiram que a temperatura do corpo de Edward voltasse a subir, mas como o ritmo de seu coração acelerou muito rapidamente, o bebê foi “resfriado” por mais dois dias.

No quarto dia, o coração do recém-nascido finalmente começou a bater em um ritmo normal e médicos começaram a esquentar seu corpo em meio grau a cada 12 horas.

Um mês depois, o bebê pode ir para casa. “Foi como um sonho que virou realidade”, conta sua mãe.

Hoje Edward tem seis meses e é um bebê relativamente saudável, embora possa ter alguns episódios de arritmia cardíaca no futuro.

Corpo ‘que caiu do céu’ intriga polícia britânica.

Angolano / BBC

Investigadores divulgaram imagem computadorizada de rosto de homem que “caiu do céu” em Londres.

Investigadores tentam, há mais de três meses, solucionar o mistério envolvendo a identidade de um homem que, aparentando ter 20 anos, morreu ao cair de um avião em pleno voo na Grã-Bretanha.

Até agora, a polícia sabe muito pouco sobre o caso e acredita que o jovem seria um imigrante ilegal de Angola.

Ele teria embarcado na aeronave na capital angolana, Luanda, ao entrar sem ser percebido no minúsculo compartimento do trem de pouso.

Como proteção à baixa temperatura e à alta pressão, o jovem teria tomado uma única precaução. Segundo os investigadores, ele encheu os ouvidos com pedaços de lenços de papel.

Porém, oito horas depois, quando o avião já se aproximava da cidade de Mortlake, no sudoeste de Londres, para pousar no Aeroporto Internacional de Heathrow, o homem “caiu do céu”, segundo relatos de moradores da região.

“Eram 7h42. Acordamos com um barulho infernal”, afirmou Lizzie Calfe.

O corpo do homem foi encontrado próximo à casa da britânica, com graves ferimentos. Apesar de o incidente ter acontecido três meses atrás, ela, como muitos de seus vizinhos, quer descobrir a verdadeira história do homem – e porque ele decidiu por uma jornada tão desesperadora e sem volta.

“É difícil esquecer (…) quando começo a me lembrar do episódio, penso: ele tinha uma família”, lamenta Calfe.

Tatuagem

A polícia metropolitana londrina ainda tentar juntar, em vão, as peças do quebra-cabeça.

“Pode ser que seus familiares não saibam que ele está desaparecido e estão desesperados para encontrá-lo”, disse o sargento Jeremy Allsup, que ainda não conseguiu descobrir a identidade do homem.

O “passageiro ilegal” estava carregando algumas cédulas da moeda de Angola e caiu em um ponto quando o avião, da companhia aérea British Airways, sobrevoava uma das principais avenidas de Mortlake.

Angolano / BBCHomem seria imigrante angolano e tinha tatuagem no braço esquerdo com as iniciais GZ

A polícia, porém, já divulgou pistas que podem levar à sua real identidade. O rosto do homem, que ficou destruído com o impacto, foi reconstruído para ajudar os detetives a solucionar o caso. O que se sabe, de fato, é que ele tinha uma tatuagem em seu braço esquerdo com as iniciais ZG.

“Se essa imagem for divulgada para um familiar ou amigo da vítima, possivelmente eles conseguirão identificá-lo”, disse Allsup.

Mas a pista mais importante parece ter sido encontrada nos bolsos do jovem. Ele carregava um celular que contém números de sua família e amigos e possivelmente os contactaria em poucas horas, tão logo o avião aterrissasse na Grã-Bretanha.

O telefone, no entanto, está bloqueado. Detalhes do chip foram encaminhados às autoridades angolas que, de posse do DNA do homem, sua arcada dentária e fotos, também tenta descobrir sua identidade, até agora, sem sucesso.

Para o sargento Allsup, a polícia angolana tem concentrado poucos esforços na solução da morte, uma vez que, apesar de ter recebido indicações da vítima, ainda não deu sinais de que investigará o caso.

A Embaixada da Angola em Londres não fez comentários sobre o incidente.

Quebra-cabeça

Enquanto isso, outros ainda tentam descobrir informações sobre a identidade do homem.

Gama Mossi, um angolano que recebeu asilo político da Grã-Bretanha em 2000, organizou reuniões com outros exilados de seu país próximo ao local onde o imigrante ilegal caiu.

“É crucial para nós fazermos pressão sobre o governo de Angola para liberar informações à imprensa do meu país”, afirma.

Para Mossi, crítico do governo, provavelmente o homem fugiu do país porque “não tinha emprego, era um nada na sociedade angolana. Não tinha nada a perder, como milhões de angolanos. A nossa voz não tem peso”, critica.

Segundo o sargento Allsup, “ainda não sabemos como vamos resolver esse caso. Se não conseguirmos identificá-lo, teremos de enterrá-lo no Reino Unido”.

Mas para o angolano Mossi, o pior ainda está por vir. “É muito importante em nossa cultura sabermos de quem se trata, uma vez que, pelas nossas tradições, uma pessoa só está morta quando ela é enterrada da maneira tradicional. Se ele for enterrado aqui, sem nome nem sobrenome, é como se ele ainda estivesse vivo. Uma alma em trânsito”, afirma.

Cadáver é encontrado enterrado em canteiro de obras de Bacabal.

Corpo encontrado é de uma mulher de aproximadamente 35 anos.
Segundo a família da vítima, ela mantinha vários relacionamentos amorosos.

O corpo de uma mulher de 35 anos foi encontrado enterrado em um canteiro de obras, neste sábado (24), em Bacabal, a 249 quilômetros de São Luís. Para a polícia, o vigia da construção é o principal suspeito do crime.

O cadáver foi encontrado por trabalhadores da obra durante as escavações do terreno. Segundo parentes da vítima, a jovem morava sozinha e mantinha vários relacionamentos amorosos.

O principal suspeito já foi identificado. De acordo com a polícia, o vigilante seria paraense e estaria trabalhando na construção há apenas dez dias. Para fugir, ele teria pedido uma motocicleta emprestada.

A polícia informou também que, na empresa, não constam fotos nem documentos do suspeito. O responsável pela obra, que preferiu não gravar entrevista, disse que o suspeito tem o nome tatuado em uma das mãos.

Mulher admite ter esquartejado e congelado ex-marido e amante.

Dona de sorveteria vem sendo chamada de ‘dama de gelo’ pela mídia austríaca; caso foi descoberto por acaso no ano passado.

Estibaliz Carranza, a 'dama de gelo', confessou o assassinato e o esquartejamento dos homens (Foto: AFP)

Estibaliz Carranza, a ‘dama de gelo’, confessou o assassinato e o esquartejamento dos homens. Uma mulher acusada de esquartejar o ex-marido e o amante e esconder os corpos em um porão sob concreto admitiu os crimes ao começar a ser julgada nesta segunda-feira (19) em Viena, na Áustria. O julgamento vem ganhando grande atenção da mídia austríaca, que apelidou a mulher, dona de uma sorveteria em Viena, de ‘Dama de Gelo’. Estibaliz Carranza, que tem dupla cidadania espanhola e mexicana, é acusada de ter matado o ex-marido com um tiro na cabeça em 2008 e de ter matado o amante dois anos depois enquanto ele dormia. A mulher, hoje com 34 anos, contou no tribunal como teria cortado os corpos e os escondido com concreto no porão da sorveteria depois de congelá-los. Ela contou que desmembrou o corpo do ex-marido com uma serra elétrica. Abusos A promotoria a descreveu como uma mulher perigosa e de sangue frio, que planejou os dois crimes. Mas a defesa alega que ela sofria abusos e era tiranizada pelos dois homens. Carranza alega que o ex-marido gritava com ela e ironizava sua falta de fluência em alemão e que o amante era infiel. Uma avaliação psiquiátrica indicou que Carranza sofria de uma desordem de personalidade, além de sérias anormalidades mentais e psicológicas. O caso foi descoberto por acaso no ano passado, quando pedreiros que trabalhavam no local encontraram ossos e outros pedaços de corpos no porão da sorveteria. Estibaliz Carranza fugiu então em um táxi para a Itália, onde foi presa e extraditada para a Áustria. A mulher é defendida pelo advogado Rudolf Mayer, que se tornou conhecido no país por defender também Joseph Fritzl, preso em 2008 por manter uma relação incestuosa com a filha, a quem manteve em cativeiro em um porão de sua casa por 24 anos.

Mãe de Eliza irá ao júri e espera que Bruno diga onde está o corpo da filha.

Ela tem a guarda definitiva do neto Bruninho, filho de Eliza com o jogador.
Goleiro e mais quatro réus começam a ser julgados pela morte da modelo.

Mãe de Eliza Samudio chora ao rever as fotos da filha (Foto: Tatiane Queiroz/ G1MS)

Sônia Moura chora ao rever as fotos da filha Eliza, desaparecida desde 2010.

A mãe de Eliza Samudio, Sônia de Fátima Moura, viajará de Mato Grosso do Sul até Minas Gerais para acompanhar o júri popular que, a partir desta segunda-feira (19), vai julgar Bruno Fernandes de Souza, ex-goleiro do Flamengo, e mais quatro réus pela participação na morte e desaparecimento da modelo.

Em entrevista, ela disse estar ansiosa, sem conseguir comer nem dormir direito. “Eu esperei muito por esse momento. A minha esperança é que o Bruno e todos os outros réus sejam condenados. E que eles finalmente digam onde está o corpo da minha filha”, afirmou Sônia. 

De acordo com a denúncia, oito acusados, sob ordens de Bruno, participaram do sequestro e desaparecimento da modelo. O Ministério Público acusa o jogador de ter arquitetado o crime para não ter de reconhecer o filho que teve com Eliza nem pagar pensão alimentícia. Bruno e os demais envolvidos negam participação no caso, ocorrido em 2010.

Após o desaparecimento da filha, Sônia conseguiu a guarda provisória e, neste ano, a guarda definitiva do neto, Bruninho, filho de Eliza e do goleiro. “Bruninho é parecido com a mãe. Ela era linda, sorridente e muito perguntadeira. Ele tem as mesmas manias e pergunta tudo o tempo todo.”

bruninho 300 (Foto: Tatiane Queiroz/ G1MS)
Mãe de Eliza com o neto Bruninho, filho da modelo
com o goleiro Bruno.
Eu esperei muito por esse momento. A minha esperança é que o Bruno e todos os outros réus sejam condenados. E que eles finalmente digam onde está o corpo da minha filha”
Sônia de Fátima Moura, mãe de Eliza

A mãe chorou ao rever fotos da filha Eliza. “É difícil, é uma ferida aberta que não vai fechar, infelizmente.” Depois do crime, Sônia iniciou um tratamento com psicólogos. Ela disse que “não vai ser fácil” ficar “cara a cara” com os acusados pela morte da filha.

O advogado José Arteiro Cavalcante, que representa a mãe da modelo e ajudará o promotor Henry Wagner Vasconcelos de Castro na acusação, acredita que Eliza está morta. A defesa de Bruno, no entanto, nega que tenha morrido. Na última semana, o advogado do goleiro, Rui Pimenta, lançou uma nova versão para o caso, dizendo que a jovem teria viajado para outro país e que estaria usando um nome falso.

“Isso é um absurdo. A Eliza lutou muito para que o filho nascesse, jamais abandonaria ele”, defendeu Sônia. “É uma tentativa de manchar a imagem da Eliza. Mas eu pergunto: quem é o réu? Ele ou a Eliza? Eles querem julgar a minha filha que está morta?”, questionou.

A pedido da defesa de um dos réus, a mãe de Eliza também será ouvida durante o júri. Sônia disse que embarcará, sem o neto, em voo que sai de Campo Grande para Belo Horizonte. Ela preferiu não divulgar a data da viagem.

Conforme a denúncia, Eliza foi levada à força do Rio de Janeiro para um sítio do goleiro, em Esmeraldas (MG), onde foi mantida em cárcere privado. Depois, a vítima foi entregue para o ex-policial militar Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, que a asfixiou e desapareceu com o corpo, nunca encontrado. O bebê Bruninho foi achado com desconhecidos em Ribeirão das Neves (MG).

Do total de nove acusados, dois serão julgados separadamente – Elenílson Vitor da Silva e Wemerson Marques de Souza. Sérgio Rosa Sales, primo de Bruno, foi morto a tiros em agosto. Outro suspeito, Flávio Caetano Araújo, que chegou a ser indiciado, teve o processo arquivado.

Investigações
A polícia encerrou o inquérito com base em laudos que atestam presença de sangue de Eliza em um carro de Bruno, nos depoimentos de dois primos que incriminam o goleiro, em sinais de antena de celular e multas de trânsito que mostram a viagem do grupo do Rio de Janeiro até Minas Gerais e em conversas de Eliza com amigos pela internet, nas quais relata o medo que sentia.

Eliza também havia prestado queixa contra o atleta quando ainda estava grávida, dizendo que ele a forçou, armado, a tomar abortivos. Ela ainda deixou um vídeo dizendo que poderia aparecer morta se não tivesse proteção.

O julgamento
O júri popular do caso Eliza Samudio, marcado para começar às 9h desta segunda-feira (19), no Fórum Doutor Pedro Aleixo, em Contagem (MG), será presidido pela juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues. Além do goleiro Bruno, estão no banco dos réus outros quatro acusados de participação: Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão; Marcos Aparecido dos Santos, o Bola; Dayanne Rodrigues, ex-mulher de Bruno; e Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do goleiro.

Os réus serão julgados por um grupo de sete pessoas, formado por cidadãos maiores de 18 anos residentes em Contagem (MG), sem antecedente criminal ou parentesco com os acusados.

Os réus serão julgados por um grupo de sete pessoas, formado por cidadãos maiores de 18 anos residentes em Contagem (MG), sem antecedente criminal ou parentesco com os acusados. Eles são sorteados um a um ao início da sessão entre 25 pessoas previamente escaladas. A juíza Marixa pediu também que suplentes estejam à disposição.

Ao todo, 30 testemunhas serão ouvidas – cinco de acusação, que são ouvidas primeiro, e 25 arroladas pela defesa (cinco para cada réu). Não há limite de tempo para as oitivas. Cada testemunha é questionada pelo juiz, pelo promotor e pelos advogados de todos os réus.

Encerrada essa fase, que promete ser a mais longa, começa o interrogatório dos cinco réus, que têm o direito de permanecer em silêncio. Depois, acusação e defesa apresentam seus argumentos para tentar convencer os jurados de que os réus são culpados ou inocentes.

30 testemunhas serão ouvidas – cinco de acusação e 25 da defesa.

Por último, o júri se reúne em uma sala secreta para responder a quesitos formulados pelo juiz com “sim” e “não”. Eles decidirão se os réus cometeram o crime, se podem ser considerados culpados e se há agravantes ou atenuantes, como ser réu primário. De posse do veredicto, a decisão final dos jurados, a juíza dosa a pena com base no Código Penal, se houver condenação. Se houver absolvição, o réu deixa o tribunal livre.

Corpo de aposentado é encontrado no mar em Vila Velha, no ES.

Bombeiros recolheram o corpo na praia de Itaparica, nesta quinta-feira.
Família confirmou que era Sílvio Sampaio, desaparecido desde sábado.

O corpo do aposentado Silvio Sampaio, que estava desaparecido desde último sábado (10), foi encontrado nesta quinta-feira (15), no final da orla de Itaparica, em Vila Velha, e foi recolhido pelo Corpo de Bombeiros. A família confirmou que o corpo era do aposentado.

O aposentado Sílvio Sampaio, de 65 anos, desapareceu no mar, após o barco onde ele estava com outros dois amigos afundar, no sábado, no município da Serra, na Grande Vitória. Um dos amigos conseguiu se salvar e o outro foi resgatado na noite de sábado.

O laudo do Departamento Médico Legal (DML) aponta que Sílvio morreu por afogamento. A notícia trágica abalou a família, mas foi recebida como um alívio para a angústia do desaparecimento.

“A nossa grande angústia era não ter um ponto final nessa história, de não saber o que aconteceu e como aconteceu. Nesse momento, você quer achar um final. É um momento de desespero, você ter uma pessoa saudável e, de uma hora para a outra, ela não existir mais. É uma perda grande”, afirma Lílian Sampaio, sobrinha do aposentado.

Familiares de Sílvio Sampaio divulgaram a foto dele (Foto: Reprodução/TV Gazeta)
Familiares de Sílvio Sampaio divulgaram a foto dele.

Segundo o Tenente-coronel Samuel Rodrigues Barboza, os bombeiros receberam um aviso da Capitania dos Portos de um corpo que estava boiando longe da costa, no final da orla de Itaparica, por volta das 17 horas. Eles recolheram o corpo e viram que se assemelhava às descrições de Sílvio Sampaio. O corpo foi encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória.

A Capitania dos Portos tinha encerrado as buscas nesta quarta-feira (14). Em nota oficial, nesta quinta-feira, a Capitania informou que recebeu uma denúncia, por volta das 11h, de uma embarcação anônima que teria avistado um corpo de colete salva-vidas nas proximidades da Ilha Escalvadas, em Guarapari. A equipe de Inspeção Naval realizou buscas no local, sem encontrar nenhum indício.

Segundo a Capitania, no trânsito de Guarapari para Vitória, na altura da praia de Itaparica, a lancha de Inspeção Naval da Marinha localizou o corpo, a cerca de 2 milhas da praia. Com o apoio do Corpo de Bombeiros e de uma lancha da Praticagem do Espírito Santo, o corpo foi resgatado e encaminhado ao DML.

Maranhense de 22 anos é uma das vítimas da violência vivida em SP

Renato Gomes Ferraz, de Cururupu, morava há quatro anos em São Paulo.
Ele e o cunhado foram mortos por engano por um PM na última sexta (9).

Corpo de Renato Ferraz será sepultado em Cururupu (Foto: Divulgação)

Corpo de Renato Ferraz será sepultado em Cururupu.

O maranhense Renato Gomes Ferraz, de 22 anos, foi uma das vítimas da violência vivida, nos últimos dias, em São Paulo. O jovem e seu cunhado foram mortos por um policial militar na última sexta-feira (9), quando, ao pensar que seria vitimado em mais um ataque violento, atirou contra os dois ocupantes do veículo. O caso foi mostrado no Jornal Nacional deste sábado (10).

Neste domingo (11), o tio de Renato, Ivaldo Silva Reis, concedeu entrevista à Rádio Mirante AM e falou sobre o assunto. “Ele foi pra São Paulo para ter uma vida melhor e acontece uma tragédia como essa?”, indagou.

Segundo o tio da vítima, os pais de Renato, que moram em Cururupu, a 465 km de São Luís, estão aguardando o corpo do filho para o velório e sepultamento que será naquele município. As despesas estão sendo custeadas pela própria família da vítima. Ivaldo Reis disse também que a esposa do jovem, grávida de quatro meses, foi quem avisou os familiares no Maranhão sobre a tragédia.

Ivaldo também informou que o corpo do sobrinho permanece no Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo, aguardando os trâmites para a liberação, ainda sem horário previsto. Assim que estiver liberado, o corpo será trasladado para São Luís e, da capital maranhense, seguirá para a cidade de Cururupu.

Renato Ferraz trabalhava como assistente em uma metalúrgica há quatro anos na capital paulista. O policial que matou o jovem e seu cunhado foi preso em flagrante, prestou depoimento do Departamento de Homicídios de São Paulo e encaminhado para o presídio militar Romão Gomes, zona norte da capital paulista.

Homem sem dor que mastigou parte da língua é alvo de estudo

O americano Steve Pete nasceu com a desordem congênita conhecida como analgésia. Ele é fisicamente incapaz de sentir dor física.

Steve Pete (BBC)

Steve Pete afirma que não sentir dor contribuiu para lesões.

Ele não precisa de anestesia quando extrai um dente e nunca sentiu dor de cabeça na vida.

Steve Pete agora está participando de um estudo sobre a sua condição e a sua experiência é uma das quatro que é tema de uma exposição que está sendo exibida no Science Museum, de Londres.

A condição de Steve veio à tona pela primeira vez quando ele ainda era um bebê e mastigou parte de sua língua sem se dar conta.

Sua condição foi um problema recorrente quando ele estava crescendo.

Crianças levadas

Ele admite que ele e seu irmão, que sofrem da mesma condição genética, não sofriam as mesmas restrições que outras crianças.

”Mas meninos são assim. Eles se metem em confusões e nós meio que levávamos isso a um extremo”. Por conta disso, ele e seu irmão estavam constantemente sendo cobertos com band-aids e sendo internados frequentemente em hospitais.

”Quando éramos crianças, se quebrávamos uma perna, continuávamos a usar essa perna, apesar de estarmos com ela engessada. E, com isso, não dávamos tempo para que a perna se curasse”, relembra.

”Se você sofre tantos ferimentos assim quando criança, vai começar a sentir as consequências de todas essas lesões, como artrite nas suas juntas e problemas de locomoção”, comenta.

Exposição

A exposição no Science Museum que destaca a condição de Steve Pete e de outras três pessoas é intitulada Pain Less (Indolor).

O outro lado da moeda é Peter King, cuja história extraordinária também consta da exposição. Enquanto Pete nunca sente dor, King nunca deixa de sentir.

Ele acabou perdendo os movimentos do braço esquerdo na infância ao contrair poliomielite.

Steve Pete e seu irmão, em um hospitalSteve Pete e seu irmão tiveram vários acidentes na infância devido à condição da qual sofrem

Após um acidente, aos 50 anos, ele acabou tendo o braço amputado

Agora, 20 anos após a amputação, ele continua sentindo dores no braço que não existe mais.

King tem o que se convencionou chamar de membro fantasma. Assim como muitos que sentem um membro que foi retirado, ele sente uma sensação de dor quando se mexe e sente queimação ao longo do braço inexistente e a sensação de que seu pulso ausente estaria sendo apertado.

”Em uma escala de 0 a 10, minha dor chega a 8”, afirma King.

Pesquisa

Ele está sendo submetido a uma nova técnica computadorizada de reconhecimento de movimentos e tem feito uso de um visor de realidade virtual capaz de iludir sua mente a achar que uma imagem duplicada de seu braço direito é, na verdade, seu braço esquerdo.

Com isso, quando seu braço direito se move, em sua mente, é como se o esquerdo também repondese ao movimento.

”Após alguns minutos, meu braço fantasma esquerdo, que normalmte parece apenas estar parado ao meu lado, começa a sentir como se estivesse se mexendo e tocando em objetos, porque no meu visor eu vejo o meu braço esquerdo trabalhando”, comenta.

A realização de 30 a 40 minutos de exercício acaba aliviando a dor que ele sente consideravelmente. King afirma que após o exercício, na escala de dor que ele estabeleceu, o nível de dor é de 2, uma redução expressiva se comparada ao nível 8 que ele sente habitualmente.

Fotógrafa curitibana retrata o corpo humano e o meio ambiente com sensibilidade e talento

A beleza e delicadeza do corpo humano integrada à exuberância da natureza. Esta foi a inspiração para o livro Natureza Humana, uma produção da fotógrafa curitibana Glaci Lakoski. O lançamento da obra, que exigiu anos de intensa dedicação e resultou em quase cem páginas de fotografias artísticas, acontece na próxima terça-feira (13), em um exclusivo coquetel, na Soft Cine Vídeo.

O projeto da criação do livro surgiu há oito anos quando a profissional realizou uma breve exposição de fotos retratando a graciosidade do nu feminino na natureza. Com o desejo de mostrar mais que o corpo nu formou a ideia de realizar uma obra que exibisse a sutileza do corpo humano, tanto feminino quanto masculino, de forma artística. E assim o esboço de um projeto de mais de três anos se iniciou.

A intenção da fotógrafa foi quebrar o paradigma de que nudez masculina tem uma conotação agressiva, e mostrar que a natureza se refere à dualidade dos sexos. Além de celebrar a união do corpo humano à natureza, com suas formas, cores e texturas, Glaci quis manifestar a necessidade da preservação ambiental. “Embora cada vez mais desgarrados de nossas origens na natureza, somos parte dela e lhe devemos o devido respeito. Preservando a natureza, estamos simultaneamente valorizando a nós mesmos, pois nossa existência depende de nossa própria conduta frente ao futuro”, salienta.

O livro foi dividido em dois lados – o feminino e o masculino, com 40 fotos cada – e ganhou poemas de poetisas que atuam nas áreas da arte e da comunicação. Músculos, faces e gestos são revelados com sutileza e compreensão. Cada registro transmite um sentimento, uma sensação, habitando o consciente de quem o aprecia.

Detalhista e exigente quanto à qualidade das fotos, fez um extensivo estudo das locações utilizadas. Entre os cenários encontrados no livro, estão as dunas de Santa Catarina, pedreiras abandonadas, a Ilha do Mel e paisagens de Ponta Grossa e da Região Metropolitana de Curitiba.  As fotos foram feitas com iluminação natural e o uso do Photoshop no tratamento foi mínimo.

Glaci Lakoski utiliza sua sensibilidade com a natureza e o corpo humano para criar fotografias que transmitem uma mensagem singular. Com um estilo próprio, seu trabalho ganhou notoriedade e reconhecimento com fotografias de arte e moda. Foi convidada para a produção de capas de revistas locais e editoriais de moda, como também para campanhas publicitárias, além de exposições que notabilizam seu talento.

Após o lançamento o livro poderá ser adquirido por meio do site http://www.naturezahumana.art.com

Ler ou ouvir notícias ruins deixa mulheres estressadas

Um estudo do Centro de Estudos sobre Estresse Humano de Montreal (Canadá) descobriu que notícias ruins afetam mais as mulheres do que os homens. Tanto que, quando passam por uma má situação depois de lê-las ou ouvi-las, os níveis de estresse das mulheres aumentam muito. Elas também se lembram das notícias ruins por mais tempo.

Notícias deprimentes ou perturbadoras desferem um golpe emocional muito grande sobre as mulheres, deixando-as estressadas por muito mais tempo do que os homens. Ler coisas ruins pode impactar negativamente até outras áreas da sua vida.

Por fim, como as notícias permanecem em seu cérebro por mais tempo, também as colocam em maior risco de transtorno do estresse pós-traumático (TEPT).

O estudo

60 participantes, 30 homens e 30 mulheres foram divididos em dois grupos. Em um, eles leram notícias deprimentes ou “más”,
e no outro, as pessoas leram histórias não deprimentes.

No grupo das más notícias, os pesquisadores notaram que tanto os homens quanto as mulheres reagiram à leitura negativa, experimentando níveis elevados de cortisol (o estado hormonal de “luta ou fuga” que o corpo produz em resposta ao estresse).

Mas os homens pareceram ser capazes de “liberar” esse estresse e retornar a um estado normal antes das mulheres.

Os pesquisadores chegaram a essa conclusão na segunda parte do estudo. Logo após a sessão de leitura, os participantes foram colocados em uma situação estressante: com “juízes” por trás de um espelho, cada participante foi convidado a apresentar seu caso para uma entrevista de emprego, e depois de fazer contas aritméticas mentais com tempo contado (ou seja, sob pressão).

As reações de homens e mulheres que leram notícias negativas divergiram: as mulheres, em média, responderam ao desafio com níveis mais elevados de estresse, medidos pelos níveis de cortisol na saliva.

Não que os homens não tenham se estressado: os que leram notícias negativas reagiram com maior ênfase ao desafio estressante, porém, nas mulheres a tendência foi muito mais pronunciada.

Sexo frágil?

De acordo com os pesquisadores, isso não quer dizer que as mulheres são “extremamente” sensíveis e devem ser protegidas até mesmo de notícias ruins.

Para começar, o estudo foi pequeno, e, portanto, precisa ser duplicado para ver se os resultados se confirmam.

Em segundo lugar, evidências sugerem que isso pode ter um lado bom para as mulheres: boa memória.

Estresse, desde que não crônico, pode contribuir para a consolidação da memória. E essa teoria foi constatada pelos pesquisadores durante o estudo.

Os que experimentaram algum estresse após a sua sessão de leitura de notícias lembravam mais delas e de seus detalhes no dia seguinte, principalmente as mulheres que tinham lido notícias ruins, que tinham a melhor memória entre todos os participantes.

Por outro lado, a descoberta pode ajudar a explicar por que as mulheres parecem estar em maior risco de desenvolver transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) do que os homens. Uma vez traumatizada, a mulher pode “reativar” o estresse mais frequentemente. E sua memória afiada e duradoura do evento angustiante também pode causar estresse por si só.

‘Ela me tirou do sério’, diz suspeito de matar ex-mulher e filho de 4 anos

Suspeito de 24 anos ficou foragido por cinco dias após crime, em Cuiabá.
Crime ocorreu no Bairro Serra Dourada, na capital.

Suspeito chorou ao lado de advogado durante depoimento (Foto: Reprodução/TVCA)

Suspeito chorou ao lado de advogado durante
depoimento.

O homem após matar a tiros a ex-mulher de 23 anos, Ariele Lopes da Silva, e o próprio filho de apenas quatro anos de idade, confessou a autoria do crime após se entregar à Polícia Civil de Cuiabá. Geanderson Xavier Rangel, de 24 anos, decidiu contar detalhes do duplo homicídio durante depoimento nesta terça-feira (6), 24 horas depois de ter se entregado na Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP). 

“Ela [ex-mulher] me tirou do sério. Ela puxou o menino e eu atirei e pegou no menino. Eu não atirei nele, era para pegar nela. Jamais no menino”, declarou o suspeito chorando ao lado do advogado.

O crime ocorreu na última quinta-feira (1º), quando os corpos de Ariele e do garoto foram encontrados em uma residência do bairro Serra Dourada, na capital. As vítimas foram achadas mortas pela irmã de Ariele, no momento em que ela retornou da escola. Na segunda-feira (5), Geanderson se entregou à polícia, mas optou por se manter em silêncio no primeiro depoimento.

Já nesta terça-feira, Geanderson contou ainda que o crime não foi planejado. “Foi de última hora, teve aquela pressão. Mas jamais foi planejado isso”, disse. As investigações apontaram que no momento do crime a criança estava dormindo. O delegado João Bosco Ribeiro informou que a arma usada nos assassinatos foi entregue pelo suspeito, que vai responder por duplo homicídio qualificado. Conforme o delegado, mesmo com a confissão, as investigações no inquérito aberto para apurar o crime vão continuar.

 De acordo com informações de familiares, o casal estava separado há alguns meses, porém, eles vinham travando uma briga constante por conta do pagamento da pensão do filho. A jovem era estudante do curso de direito. O delegado João Bosco confirmou que o suspeito vai ficar detido na Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa até que a Justiça possa expedir o mandado de prisão preventiva, o que ainda não ocorreu.

As vítimas eram filha e neto de um sargento da PM e estavam sozinhas na casa do oficial no momento em que o suspeito foi até o local e as matou. O suspeito foi visto por vizinhos saindo da residência depois do crime e conseguiu fugir.

Primeira senadora abertamente gay é eleita sem levantar bandeira do movimento

A democrata Tammy Baldwin tornou-se na terça-feira a primeira senadora americana abertamente gay, embora as bandeiras do movimento GLBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros) não tenham sido temas centrais nem em sua campanha, nem no discurso de agradecimento feito após o anúncio da vitória.

Tammy Baldwin (Foto AP)

“Estou ciente de que serei a primeira integrante do Senado americano abertamente gay, mas não concorri nessas eleições para fazer história e sim para fazer a diferença”, explicou Baldwin, prometendo lutar por toda a classe média de seu estado, Wisconsin.

“Quero fazer a diferença na vida de famílias que estão lutando para conseguir trabalho e pagar as contas, na vida de estudantes preocupados com suas dívidas, idosos preocupados com suas aposentarias e veteranos (das Forças Armadas) que lutaram por nós e agora precisam de alguém para lutar por eles e por suas famílias.”

Baldwin, de 50 anos, derrotou o ex-governador de Wisconsin Tommy Thompson e assumirá a cadeira do senador democrata Herb Kohl, que se aposentou após quatro mandatos.

Trajetória

A democrata manteve uma relação de 15 anos com a advogada Lauren Azar, de quem se divorciou em 2010.

Em 1998, ela tornou-se a primeira candidata abertamente gay a ser eleita para a Câmara dos Deputados (embora outros deputados já tivessem se declarado homossexuais depois de assumir o cargo). E nos anos seguintes, foi reeleita sete vezes (nos EUA há eleições para deputados a cada dois anos).

A vitória de Baldwin foi celebrada pelos movimentos de defesa dos direitos homossexuais nos EUA como um passo importante para ampliar a diversidade da composição do Senado e ajudar na defesa de suas bandeiras na Casa.

A senadora eleita de fato sempre defendeu causas do movimento, como a legalização do casamento gay e o repúdio à chamada política do ‘não pergunte, não conte’ nas Forças Armadas dos EUA, mas esses temas não chegaram a ser centrais em sua campanha pelo Senado.

Badlwin ganhou o eleitorado prometendo lutar contra o desemprego com estímulos a investimentos em infraestrutura, educação e pesquisa. Ela também prometeu ajudar a levar adiante as reformas no sistema de saúde americano iniciadas na gestão Barack Obama e procurou caracterizar seu opositor como o “candidato dos ricos”.

Controle do Senado

Todd Akin (Foto AP)Todd Akin perdeu a disputa pelo Senado após fazer declarações polêmicas sobre estupro

Os democratas mantiveram o controle do Senado dos EUA nas eleições de terça-feira, com vitórias em disputas apertadas em Massachusetts, Indiana e Virgínia. Mas os republicanos também conseguiram manter sua maioria na Câmara dos Deputados.

No Senado, a vitória democrata foi facilitada pela derrotada de dois republicanos que fizeram comentários controversos sobre “estupro” e “aborto”.

Um deles foi Richard Mourdock, candidato por Indiana, que defendeu em um debate que uma gravidez após um estupro seria “algo que Deus queria que acontecesse”.

Candidato do movimento ultraconservador Tea Party, ele perdeu a disputa por uma vaga no Senado para o democrata Joe Donnelly, apesar de ter começado a disputa como favorito.

Outro republicano derrotado após fazer declarações polêmicas nessas áreas foi o deputado e candidato ao Senado por Missouri Todd Akin, que disse, em uma entrevista, que os corpos das mulheres são naturalmente capazes de evitar gravidez caso elas sejam vítimas de um “legítimo estupro”.

Polêmica

O deputado foi questionado se acreditava que o aborto deveria ser proibido mesmo quando a gravidez fosse resultado de um estupro.

“Parece-me, pelo que entendi dos médicos, que isso é muito raro. No caso de um ‘legítimo estupro’, o corpo feminino tem maneiras de bloquear essa coisa toda”, disse Akin, membro da comissão de Ciência da Câmara dos deputados.

“Mas vamos supor que, talvez, esse mecanismo não funcione… Acho que deveria haver uma punição – mas é o estuprador quem deveria ser punido, não a criança.”

Até o momento da entrevista, Missouri era considerado um dos estados em que os democratas mais teriam dificuldade para vencer.

Com a polêmica, a democrata Claire McCaskill não teve muita dificuldade em ganhar a disputa com Akin. Os próprios republicanos criticaram o deputado e doadores resolveram suspender o financiamento à sua campanha.

Dois são presos por desvio de carga com 12,5 mil latas de cerveja, em PE

Com um comerciante ainda foram apreendidos desodorantes e cigarros.
Caminhão vinha de João Pessoa e seguia para o Porto de Suape.

Delegado Osias Tibúrcio contou detalhes do esquema (Foto: Kety Marinho / TV Globo)

Delegado Osias Tibúrcio contou detalhes do esquema.

Dois homens foram presos em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, suspeitos de participarem de um esquema de roubo e receptação de carga, de acordo com apresentação realizada pela Delegacia de Roubos e Furtos nesta terça-feira (6). Ao todo, foram apreendidas 12,5 mil latas de cerveja, 33 caixas de desodorante, 731 maços de cigarro paraguaios e 41 caixas de fogos de artifício, além de R$ 12 mil em dinheiro.

O caso aconteceu na última quinta (1º), quando, através de denúncias, foi descoberto um desvio de carga de cerveja. De acordo com o delegado Osias Tibúrcio, o caminhão vinha de João Pessoa (PB) até o Porto de Suape, no Litoral Sul de Pernambuco, mas foi desviado para o bairro de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes. “Verificamos a falta de parte da carga, e o motorista negou que tinha desviado. Mas o tacógrafo indicou que o percurso foi maior do que o que seria feito”, comentou o delegado Osias.

Em Prazeres, duas testemunhas contaram que a negociação teria acontecido com um comerciante do local. “Através do lote do produto, descobrimos que a carga estava com o comerciante. E ele também tinha uma carga roubada da Unilever [a de desodorantes], fogos de artifícios irregulares e cigarros contrabandeados do Paraguai”, informou o delegado responsável pelo caso.

A ação do motorista consistia na utilização de um dispositivo de plástico que impedia o lacre total do caminhão – ele foi autuado por apropriação indébita. De acordo com a polícia, o comerciante já tinha passagem pela polícia por receptação. Ele foi autuado pelo mesmo crime. Os dois seguiram para o Centro de Triagem e Observação Professor Everaldo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, Grande Recife, onde ficam à disposição da Justiça de Jaboatão.