Arquivo da tag: agência nacional

Jack Reacher: O Último Tiro Torrent – BluRay Rip 1080p Dual Áudio (2012)

Novo Anuncio

Jack Reacher - O Último Tiro Torrent - BluRay Rip 1080p Dual Áudio

Sinopse: Jack Reacher: O Último Tiro Torrent – BluRay Rip 1080p Dual Áudio (2012) Um crime brutal foi cometido contra cinco pessoas ao mesmo tempo e um atirador de elite, veterano de guerra, foi acusado pelos assassinatos sem muita chance de defesa. Durante o interrogatório, ele cita apenas o nome de Jack Reacher (Tom Cruise), um ex-combatente com inúmeras condecorações, dado como desaparecido para o governo e autoridades. Só que ele aparece do nada e resolve investigar por conta própria o tal mistério. Sua teoria é que existe uma ligação entre as mortes e o verdadeiro responsável tem outros interesses, procurando desviar a atenção. Só que Jack não desiste da verdade e tem um jeito especial de fazer a sua justiça, doa a quem doer.

»INFORMAÇÕES«
Filme: Jack Reacher: O Último Tiro
Formato: MKV
Qualidade: BluRay Rip
Áudio: Português / Inglês
Legenda: Português
Servidor: Torrent
Gênero: Ação / Crime / Thriller
Tamanho: 2.13 GB
Qualidade de Áudio: 10
Qualidade de Vídeo: 10
Lançamento: 2012
Duração: 2h 10 Min.

BLU-RAY RIP 1080p DUAL ÁUDIO:

DownloadDownload 2ª Opção

França testa com sucesso tecnologia para tratar lixo radioativo

Técnica eleva resíduos a 5.000° C e reduz volume gerado em 80 vezes.
Unidade de tratamento deve começar a funcionar em 2 anos, na Bulgária.

Ministra francesa da Ecologia, Delphine Batho (centro), visita o laboratório subterrâneo operado pela Agência Nacional de Gestão de Resíduos Radioativos (Andra), em 4 de fevereiro, em Bure, no leste do país (Foto: Jean Chistophe Verhaegen/AFP)

Ministra francesa da Ecologia, Delphine Batho (centro), visita o laboratório subterrâneo operado pela Agência Nacional de Gestão de Resíduos Radioativos (Andra), no dia 4 de fevereiro, em Bure, no leste do país.

Uma tecnologia alternativa para o tratamento de lixo radioativo foi testada com sucesso em um laboratório francês no departamento de Landes, no sudoeste do país, anunciaram nesta quinta-feira (1º) a gigante espanhola da energia Iberdrola e sua parceira belga Belgoprocess.

Essa tecnologia, destinada a resíduos com nível de radioatividade baixa e média, “permite reduzir de forma importante o volume de lixo após submetê-lo a temperaturas que alcançam 5.000° C”, explicaram as companhias em comunicado.

Submetidas a essas temperaturas extremas do plasma (mistura de moléculas, átomos, íons e elétrons), o lixo radioativo é liquefeito, vitrificado e depois resfriado, o que permite reduzir “em até 80 vezes” seu volume, acrescentaram a Belgoprocess e a Iberdrola Ingenieria y Construcción, uma filial da companhia espanhola de energia. Em seguida, os resíduos radioativos são colocados em unidades de estocagem e cimentados.

Os últimos testes foram realizados durante dois dias em uma instalação da sociedade francesa Europlasma Inertam, em Morcenx, Landes. A unidade de tratamento será transferida para a usina nuclear de Kozloduy, no noroeste da Bulgária, perto da fronteira com a Romênia, explorada pela empresa pública Bulgarian Energy Holding EAD (BEH EAD).

“Ela será montada em setembro, antes de ser colocada em funcionamento, o que está previsto para daqui a dois anos”, indicou a Iberdrola.

Mesmo que os volumes não sejam consideráveis, a periculosidade dos resíduos radioativos demanda altos custos para serem estocados e enterrados. Reduzir os volumes gerados, portanto, permitiria limitar essa conta.

Segundo o Comissariado de Energia Atômica e Energias Alternativas (CEA) francês, os processos de tratamento com plasma já foram estudados – a CEA desenvolveu um procedimento denominado Shiva –, e a técnica foi empregada industrialmente no centro de armazenamento de resíduos radioativos de Zwilag, na comuna de Würenlingen, no norte da Suíça.

Operadoras não podem mais cobrar por chamadas sucessivas.

Começou a valer nesta semana a regra da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) que estabelece que as chamadas feitas de celular para um mesmo número sejam consideradas uma única ligação, desde que o intervalo entre elas seja de até dois minutos entre os mesmos números de origem e de destino.

Com a mudança, os consumidores devem ficar mais atentos aos detalhes das contas telefônicas, para verificar se as ligações sucessivas nãos serão cobradas pelas operadoras. Para isso, o usuário deve pedir à empresa a conta detalhada e verificar se existem chamadas para o mesmo número feitas em um intervalo menor que dois minutos.

“Teoricamente, tem que ser considerada como uma ligação só. Infelizmente, é preciso ficar olhando minutos e segundos das ligações realizadas, mas se por acaso houver duas ligações cobradas com intervalo menor que dois minutos, a própria conta comprova que ele foi cobrado de forma errada”, explica a advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, Veridiana Alimonti. 

Se algum problema for constatado, a empresa deve ser procurada e, se não resolver a pendência em até 30 dias, o cliente pode fazer uma reclamação à Anatel, pelo telefone 1331, ou ao Procon de sua cidade. 

Segundo Alimonti, a medida surgiu por causa de uma pressão pública em relação ao grande número de quedas de chamadas em ligações de celulares, principalmente nos planos que cobram por cada ligação do cliente e não pelos minutos de uso. Para ela, a medida não resolve o problema das quedas de chamadas, mas deixa de penalizar o consumidor por ter que pagar novamente a ligação. “Embora seja ruim a ligação ficar caindo, o consumidor não vai ser duplamente prejudicado por ter que pagar de novo a ligação, ele só vai ter que fazer novamente a chamada”, avalia.

O tempo de dois minutos para que a ligação seja refeita é suficiente, na avaliação da advogada, especialmente porque os celulares já gravam os números discados, e só é preciso programar para refazer a ligação. “Se a rede não tiver com tantos problemas a ponto de não conseguir refazer a ligação, o tempo é suficiente”.

Segundo a Anatel, a regra das chamadas sucessivas vale para todos os planos de serviço oferecidos pelas prestadoras, tanto os de tarifação por tempo quanto por chamada. No caso de quem paga a ligação por tempo, haverá a soma dos segundos e minutos de todas as chamadas sucessivas. Para quem paga por ligação, as chamadas sucessivas serão consideradas uma só para efeito de cobrança e não poderão ser cobradas do consumidor como ligações diferentes. Não haverá limites para a quantidade de ligações sucessivas. A nova regra vale apenas para ligações feitas de celulares, mas os números de destino poderão ser fixos ou móveis.

Em Londres, Brasil tenta atrair petrolíferas para novos leilões.

O governo federal fará nesta sexta-feira, em Londres, uma apresentação para atrair petrolíferas que operam no Mar do Norte para os próximos leilões de petróleo e gás no país, paralisados desde 2008, e tentar solucionar dúvidas e queixas sobre o novo marco regulatório do setor.

Plataforma de petróleo / AP

Nova rodada de leilão de campos de petróleo está prevista para ocorrer em maio.

No encontro, parte de uma excursão do governo federal voltada a investidores e empresários estrangeiros que começou no último dia 26 de janeiro em Nova York, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) terá como principal missão apresentar os termos da 11ª rodada de licitações de campos de petróleo e gás, em que serão leiloados 289 blocos em terra e no mar. O leilão ocorrerá em 14 e 15 de maio.

Também deverá ser debatida a 12ª rodada de leilões, que deve ocorrer em outubro, e o primeiro leilão do pré-sal, previsto para novembro. Ainda não há detalhes sobre as duas licitações.

Segundo a diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, “com esses três leilões, estaremos em dia com qualquer atraso que possa ter havido” na área.

Em entrevista à BBC Brasil, ela disse que a 11ª rodada apresenta oportunidades “muito boas” para as petrolíferas. Entre os campos licitados, há 150 blocos na margem da linha do Equador, a maioria dos quais na bacia do Amazonas.

Segundo a ANP, cuja função é regular, fazer contratações e fiscalizar o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis no país, há boa chances de haver grandes reservas de óleo leve (mais valorizado) na região.

Com as licitações, o governo encerrará um período de mais de quatro anos sem leilões, quando a área total de exploração sob concessão no país encolheu e a produção petrolífera do país estagnou.

Novo marco

Magda Chambriard / APPara diretora da ANP, desfecho do embate sobre royalties não terá efeito sobre novas licitações.

Após a descoberta das reservas do pré-sal, em 2007, o governo decidiu alterar o marco regulatório do setor. O novo marco, porém, só foi aprovado no Congresso no fim de 2012, após um duro embate entre parlamentares dos Estados produtores de petróleo (principalmente Rio de Janeiro e Espírito Santo) e dos não produtores sobre os royalties, espécie de compensação paga aos produtores.

A presidente Dilma Rousseff, contudo, vetou o trecho do projeto de lei que alterava a distribuição de royalties para campos já licitados. O Congresso agora se movimenta para analisar o veto da presidente, que pode ser derrubado. A votação está prevista para a próxima terça-feira, 5 de março.

A perspectiva de que as regras sejam alteradas tem sido criticada não só pelos Estados produtores, que ameaçam recorrer ao Supremo Tribunal Federal, mas também pelas petrolíferas que operam esses campos.

Segundo elas, a mudança significaria quebra de contrato e desestimularia novos investimentos no país.

Para a diretora da ANP, porém, o desfecho do embate sobre os royalties não terá qualquer efeito nas novas licitações, já que o veto presidencial trata apenas de contratos vigentes.

“No nosso entendimento, o assunto está pacificado”, ela diz. Segundo Chambriard, a explicação do governo tem sido “bastante aceita” pelas petroleiras.

Após o encontro em Londres, a diretora da ANP deve voltar aos Estados Unidos.

No dia 4, ela fará apresentação em Houston, no Texas, sede das principais petrolíferas americanas.

Chambriard ainda deve visitar a Ásia para tratar das novas licitações, em data ainda não definida.

Números de celulares em Santos terão acréscimo do dígito 9.

 

Os números de telefones celulares dos usuários de Santos, como em São Paulo, também receberão o acréscimo do dígito 9 à esquerda, passando a ter nove dígitos. A mudança ocorrerá a partir de 25 de agosto, para as áreas de registro (DDD) de 12 a 19, no estado de São Paulo, abrangendo o litoral e interior.

As ligações discadas com oito dígitos ainda serão completadas por 40 dias após a data de alteração, quando então passarão a ser interceptadas pela prestadora, que vai orientar sobre a nova numeração. As mensagens de texto (SMS) também necessitarão do novo número. Depois de cem dias da mudança as ligações não serão mais completadas.

A medida visa dar continuidade ao processo do aumento de disponibilidade de números de telefones móveis no Brasil, iniciado em 2012 com a cidade de São Paulo. De acordo com a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), o nono dígito será incrementado em todo o país até 2016. O Rio de Janeiro e o Espírito Santo são os próximos estados a receberem a mudança de número.

Diretoria do BNDES aprova financiamento para leilão do trem-bala.

1º leilão do trem-bala está previsto para acontecer em setembro.
Valor máximo do financiamento será de R$ 5,3 bilhões.

trem1trem_bala2

 

A diretoria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) aprovou nesta sexta-feira (18) as condições de financiamento para implantação do primeiro trem-bala brasileiro, que vai ligar as cidades de Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro. O leilão do projeto está previsto para ocorrer em setembro.

O valor máximo do financiamento oferecido pelo banco é de R$ 5,3 bilhões. Esse valor, porem, tem como base o projeto do governo, de 2008, e por isso vai sofrer correção pelo IPCA. O valor do aporte também está limitado a 80% dos itens financiáveis ou 70% do investimento total.

A taxa de juros que vai incidir sobre o financiamento será da somatória da TJLP (atualmente em 5% ao ano) mais 1% ao ano. O prazo para pagamento é de 30 anos.

Esse financiamento se refere à primeira fase do projeto, que contempla o leilão para a escolha do consórcio que vai operar o trem-bala e oferecer a tecnologia do veículo. Haverá ainda um segundo leilão, para definir as empresas que vão construir a estrutura para passagem do trem.

O governo federal vai ter participação de 45% na empresa que vai operar o primeiro trem-bala brasileiro. A informação consta do edital do projeto, divulgado em dezembro pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Na minuta do edital, divulgada em agosto, o governo teria 30% de participação na Sociedade de Propósito Específico (SPE) que será formada junto com a empresa ou consórcio que vencer o leilão para operação do trem-bala, marcado para 19 de setembro de 2013.

A mudança siginifica que o governo vai ser responsável por 45% dos investimentos da primeira fase do projeto, mas será dono do mesmo percentual dos lucros com a venda de passagens.

O governo será representado na sociedade pela Empresa de Planejamento e Logística (EPL). De acordo com o presidente da estatal, Bernardo Figueiredo, o aumento da participação acionária foi adotado para que o leilão fosse mais atrativo às empresas.

Anatel libera venda de promoção Infinity Day pela TIM.

Promoção havia sido suspensa em novembro pela agência.
TIM informou que irá avaliar momento mais oportuno para lançá-la de novo.

anatel_logo

 

 

Decisão da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) publicado na edição desta quinta-feira (17) do Diário Oficial da União, libera a TIM a comercializar o promoção chamada Infinity Day, que havia sido suspensa em novembro.

A promoção permite que os usuários façam ligações ilimitadas entre números da operadora pagando R$ 0,50 por dia – a tarifa regular da operadora é de R$ 0,25 por ligação. Ela é restrita aos estados do Amazonas, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Rio de Janeiro e São Paulo.

A Anatel havia determinado a suspensão do Infinity Day sob o argumento de que a rede de telefonia da TIM poderia não suportar o tráfego adicional, levando a queda na qualidade do serviço prestado aos clientes e aumento das reclamações. A TIM chegou a entrar na Justiça contra a decisão, mas teve o pedido recusado.

No despacho, a agência informa que, durante avaliação feita no final do ano passado, “constatou-se que a rede da operadora ainda precisa de melhorias, mas, tal situação não representa um risco na prestação regular do SMP [serviço celular] que justificaria a atuação desta Agência Reguladora nos aspectos relacionados ao tráfego e capacidade da rede.”

A Anatel diz ainda no despacho que pode voltar a suspender a promoção se avaliar que a qualidade do serviço prestado pela TIM aos clientes registra queda.

Em nota, a TIM informou que tomou conhecimento da decisão da Anatel e que “irá avaliar o momento mais oportuno para lançá-la no mercado, já que – inicialmente – a promoção havia sido preparada com foco nas vendas de Natal”.

“A empresa reitera que seguirá trabalhando para trazer ofertas e produtos inovadores para o mercado brasileiro, sempre com pleno respeito à legislação e regulamentação em vigor e com foco na qualidade dos serviços prestados, de acordo com o Plano de Ações de Melhoria da Prestação de Serviço Móvel”, acrescentou a TIM.

Em julho de 2012, a Anatel suspendeu a venda de chips pela TIM, Oi e Claro em alguns Estados por conta do aumento de reclamações de clientes. A liberação ocorreu depois que as operadoras apresentaram planos prevendo investimentos para melhorar suas redes e o serviço prestado. Desde então, as empresas vem sendo acompanhadas pela Anatel.

Em novembro, a TIM lançou a promoção Infinity Day sem comunicar a Anatel. De acordo com a agência, a comunicação seria necessária já que a operadora estava sob supervisão.

Brasileiro pode ter desconto na conta de luz se gerar energia renovável.

Resolução da Aneel permite integrar geração doméstica ao sistema elétrico.
Energia excedente fornecida à rede pode abater custo ao pequeno produtor.

Resolução da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que entra em vigor nesta segunda-feira (17) permite aos consumidores brasileiros gerar energia elétrica em casa a partir de fontes renováveis, com o objetivo de baratear a conta de luz, e ainda integrá-la à rede elétrica comum.

A medida, aprovada em abril deste ano, é válida para geradores domésticos que utilizem fontes como pequenas centrais hidrelétricas, matrizes eólica (ventos), solar ou biomassa. A regra vale para a microgeração (até 100 kW) e minigeração (até 1 MW).

Com isso, a energia excedente produzida por moradias que, por exemplo, tenham painéis solares instalados, poderão fornecer eletricidade para a rede distribuidora. O consumidor receberá um crédito que poderá ser abatido na conta de luz em um prazo de 36 meses.

De acordo com a Aneel, a geração de energia elétrica próxima ao local de consumo ou na própria instalação consumidora pode trazer uma série de vantagens sobre a geração centralizada tradicional, como, por exemplo, economia nos investimentos de transmissão, redução das perdas nas redes e melhoria na qualidade do serviço de energia elétrica.

De acordo com Ricardo Baitelo, coordenador da campanha de energias renováveis da ONG Greenpeace, a iniciativa será positiva no aspecto ambiental e também será boa para melhorar a eficiência energética do país, já que a geração de energia no local de consumo poderá evitar perdas na transmissão. “É uma complementação para o sistema, que depende apenas das hidrelétricas”, explica.

Ele afirma também que a resolução poderá baratear o custo das fontes renováveis no país. Segundo ele, atualmente um sistema domiciliar para gerar energia com a luz do sol pode custar cerca de R$ 20 mil.

Alemanha
Em países da Europa, como a Alemanha, o sistema de geração de energia doméstica já existe há alguns anos. Em 2011 em visita a cidade de Freiburg, onde está localizado o bairro de Vauban, considerado um exemplo do que se chama “viver com sustentabilidade” 

Os imóveis locais, construídos para consumirem pouca energia elétrica, funcionam como uma pequena usina geradora de energia. Placas de captação de luz solar foram instaladas no telhado e suprem o consumo interno. O excedente é redirecionado para a rede pública.

De acordo com a empresa de planejamento urbano de Freiburg, para cada kWh de energia elétrica produzido, o governo paga 0,30 centavos de euro. Esse subsídio é garantido por 30 anos. Durante um ano, esses imóveis produzem o dobro de energia que consomem.

A Alemanha procura ainda aumentar a participação da geração de energia de biomassa, devido ao seu custo mais baixo. Enquanto se gasta 10 mil euros para instalar placas de captação de luz solar para aquecimento de água e do ambiente interno da residência, uma miniusina de biomassa movida a pellets (pequenos pedaços de madeira) custaria 7 mil euros.

energia_solar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
Transmissão problemática
O desperdício de energia no Brasil é duramente criticado por organizações não governamentais brasileiras. De acordo com um relatório publicado no mês passado, o país tem registrado grandes perdas de quantidades de energia elétrica devido a problemas no sistema de transmissão elétrico.

Baseado em dados Tribunal de Contas da União (TCU), o documento diz que em 2004 as perdas técnicas (causadas pelas peculiaridades do sistema) e comerciais (por exemplo, instalação de “gatos”) de energia no país foram de 20,28% do total gerado.

O índice supera em muito os registrados em países vizinhos como Chile (5,6%) e Colômbia somadas (11,5%%) no mesmo período. Ainda segundo o relatório, tais perdas teriam causado um reajuste de ao menos 5% na tarifa ao consumidor.

De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a perda técnica é inevitável e está associada ao processo de transmissão. Segundo o órgão, o aquecimento dos cabos durante as transmissões provoca tais extravios, considerados naturais e com índices que se igualam a padrões mundiais.

Segundo a Aneel, entre 2007 e 2010 as perdas técnicas de energia no país atingiram índice de 7%. A Aneel não divulgou o percentual de perdas comerciais para o mesmo período.

PMA realiza curso estratégico de conservação para um novo olhar da fiscalização.

Entender a questão ambiental de forma global e conhecer a região onde atua são princípios básicos para mudar conceitos nas ações de preservação e fiscalização dos biomas brasileiros – um dos objetivos do curso Estratégias para a Conservação da Natureza, cuja décima edição foi encerrada no Pantanal de Corumbá (MS) na semana passada, entre os dias 8 e 17.

O curso reúne policias ambientais de todo o país, desde 1992, e este ano participaram 35 oficiais de 25 estados. A integração, que muitas vezes não ocorre de forma institucional, é um dos pontos fortes do treinamento, onde, ao final, os militares se reúnem por regiões para discutir os problemas de suas corporações, geralmente similares, e apresentar soluções.

“A partir do momento que o policial ambiental tem um melhor entendimento da situação que convive, ele passa a operar mais com a razão e não apenas obedecendo a ordens”, afirma o ambientalista Miguel Milano, um dos palestrantes do curso. Essa melhor preparação para cuidar do meio ambiente, segundo ele, é fundamental para fortalecer as corporações.

As aulas foram realizas a bordo de um navio, que navegou 500 km pelo Pantanal. Esta edição teve o apoio da ANA (Agência Nacional de Águas), Fundação O Boticário de Proteção a Natureza, SOS Mata Atlântica, ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), mineradora MMX, Faculdade Santa Teresa e RPCSA (Rede de Proteção e Conservação da Serra do Amolar).

Força tarefa

Um dos focos do curso promovido pela Polícia Militar Ambiental de Mato Grosso do Sul e realizado pelo IHP (Instituto Homem Pantaneiro) é a educação ambiental como ferramenta para envolver as comunidades e quebrar paradigmas. A capacitação também valoriza as parcerias, inclusive com o terceiro setor, para superar limitações operacionais.

Idealizador do projeto, o coronel reformado Ângelo Rabelo, ex-comandante da PMA/MS, afirma que aumento de apreensões e multas é um atestado de incompetência. “Somos a maior força tarefa organizada do mundo para cuidar do meio ambiente e precisamos estar preparados para chegar antes da prática do crime, por meio de uma atuação mais preventiva”, observa.

Biólogo em conservação e também palestrante do curso, Fernando Fernandez realça que os policiais são capacitados “com a mão na massa”, isto é, convivendo com o bioma pantaneiro, o que proporciona uma visão melhor da nossa complexidade ambiental e seus problemas comuns. “Isso tem mais valor do que projetos bonitos, amplia os horizontes da ação policial”.

Quebra conceitos

A visão estratégica do curso quanto à integração das forças e a formação de uma massa crítica, mostra que é preciso assegurar políticas para mudar a realidade atual. “Temos um efetivo de 70 homens para cuidar de um terço da Floresta Amazônica, enquanto São Paulo, onde os recursos se exauriram, tem dois mil. Isto é negligenciar”, afirma o 2º tenente Bruno Pereira, da Amazônia.

Para o major Nivaldo de Pádua Mello, comandante da PMA de Corumbá, a capacitação é inédita porque proporciona o encontro de policiais ambientais de todo o país, destacando ainda a excelência dos instrutores. “O curso quebra conceitos, precisamos agir mais na prevenção do que na questão legalista para chegarmos à frente dos problemas ambientais”, acentua.

A convivência de dez dias com colegas de outros estados, com aulas em um navio-escola navegando pelo Rio Paraguai, surpreendeu a 1ª tenente Paola Mele, da Ambiental de São Paulo. “A gama de conhecimentos adquirida nos permite refletir sobre nossas ações e ter uma noção exata do nosso papel, que deve ser preventiva, para evitarmos impactos futuros”, pontuou.

Saída para crise não é austeridade, mas estímulo, defende Dilma em cúpula.

A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, voltou a criticar os planos de austeridade dos países europeus durante discurso neste sábado na 22ª Cúpula Ibero-americana, em Cádiz, na Espanha, e defendeu o modelo brasileiro de combate à crise econômica.

Dilma discursa ao lado do assessor especial Marco Aurélio Garcia e do ministro da Educação, Aloizio Mercadante

Discurso de Dilma em Cádiz volta a defender estímulos ao crescimento como saída da crise.

Dilma reconheceu os sacrifícios e a “capacidade de superação” que Portugal e Espanha têm feito para sair da crise, mas declarou que “as políticas exclusivas, que só enfatizam a austeridade, vêm mostrando seus limites”.

Dilma afirmou que, apesar do austero corte de gastos, “os dados e as previsões para 2012 e 2013 mostram a elevação dos deficits e a redução dos PIBs” e recomendou que os países superavitários aumentem o investimento, o consumo e importem mais.

“Sem crescimento, será muito difícil o caminho da consolidação fiscal”, disse ela durante a sessão plenária com a participação de todos os chefes de Estado presentes na cúpula, no Palácio de Congressos de Cádiz.

Esse também foi o posicionamento manifestado anteriormente por Dilma em recentes encontros internacionais, como a Assembleia Geral da ONU e a reunião anual de cúpula do G20, o grupo das principais economias do planeta.

‘Equívoco’

Para a presidente brasileira, “a consolidação fiscal exagerada e simultânea em todos os países não é a melhor resposta à crise mundial” e pode agravar a recessão.

Ela considera que é equívoco achar que as medidas austeras, embora afastem os riscos de quebra financeira, não eliminam as desconfianças dos mercados e das populações.

A presidente explicou aos líderes ibero-americanos que o novo modelo adotado pelo Brasil de estímulo econômico, “sem comprometer a prudência fiscal”, e afirmou que o país também foi atingido pela crise mundial devido à redução do mercado internacional.

Ela exemplificou que o Brasil reduziu as cargas tributárias sobre a folha de pagamento e que fez a reforma previdenciária dos servidores públicos.

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, disse que considera que Espanha já tomou as medidas suficientes para sanar o déficit e garantiu que a União Europeia não pedirá mais ajustes ao país este ano.

Mudanças

Chefes de Estado reunidos durante a cúpula em CádizCúpula ibero-americana em Cádiz deve terminar na tarde deste sábado com uma declaração conjunta

Durante seu discurso, a presidente brasileira recordou que havia outro panorama internacional na primeira cúpula ibero-americana, realizada em 1991 em Guadalajara, no México, e que a América Latina vivia as consequências de sua “crise da dívida” com o FMI.

“Levamos duas décadas de ajuste fiscal rigoroso tentando digerir a crise da dívida soberana e a crise bancária que nos afetava e, por isso, neste período, o Brasil estagnou, deixou de crescer e tornou-se um exemplo de desigualdade social”, afirmou.

No entanto, segundo ela, Brasil e América Latina têm dado um bom exemplo de dinamismo econômico, ao implementar “políticas que privilegiaram o crescimento econômico com inclusão social”.

Caribe

A presidente Dilma manifestou ainda em seu discurso a solidariedade com as vítimas do terremoto da Guatemala e do furacão Sandy em Cuba, Haiti e República Dominicana.

Dilma e o presidente do Haiti, Michel Martelly, fizeram uma reunião bilateral na sexta-feira.

Eles conversaram sobre temas relacionados à segurança interna no Haiti, cooperação técnica, sobre a possibilidade de construção de uma hidrelétrica no Haiti e esforços para a recuperação de estragos provocados pelo furacão Sandy.

Modelo de computador da Nasa mostra aerossóis cobrindo a Terra.

Suspensões de partículas atingem a camada de ozônio e afetam a saúde.
Cores simulam poeira, sal marinho, fumaça e sulfato de combustível fóssil.

Aerossois (Foto: William Putman/Nasa/Goddard)

Brasil tem alta concentração de fumaça de incêndios, segundo modelo.

Uma imagem de alta resolução criada pelo supercomputador Discover, da agência espacial americana (Nasa), mostra um modelo atmosférico da Terra repleto de aerossóis – suspensões de partículas sólidas ou líquidas, como os inseticidas, que atingem a camada de ozônio e podem prejudicar a saúde.

A simulação foi feita no Centro Espacial Goddard, em Greenbelt, Maryland, e fornece uma ferramenta única para estudar o papel do tempo no sistema climático do planeta. O sistema GEOS-5 é capaz de simular o tempo ao redor do globo em resoluções de 3,5 a 10 quilômetros.

Na imagem acima, a poeira vermelha é a que se levanta da superfície, em azul está o sal marinho que acaba dentro de ciclones, em verde aparece a fumaça emitida por incêndios, e em branco são partículas de sulfato que saem de vulcões e emissões de combustíveis fósseis.

Organizações dizem que Brasil desperdiça potencial de energia limpa.

Relatório de ONGs afirma que energias solar e eólica são subaproveitadas.
Texto aponta que sistema atual de geração de energia tem grandes perdas.

Usinas eólicas instaladas no Rio Grande do Sul (Foto: Divulgação/ABEEólica)

Usinas eólicas instaladas no Rio Grande do Sul.

Relatório elaborado por organizações não governamentais, divulgado nesta segunda-feira (12), aponta que o Brasil não aproveita seu potencial de geração de energia solar e eólica devido à falta de infraestrutura.

De acordo com o documento “O setor elétrico brasileiro e a sustentabilidade no século 21: oportunidades e desafios”, produzido por especialistas da área ambiental e técnicos de ONGs como WWF, Greenpeace e Instituto Socioambiental (ISA), gargalos técnicos impedem o crescimento dessas modalidades consideradas limpas.

O texto diz que a falta de estrutura para transmissão e distribuição de energia eólica inviabiliza a instalação de mais torres pelo país. Segundo dados do Atlas Eólico Brasileiro, o país tem potencial para gerar 143 GW apenas com a força dos ventos, número que é 12 vezes maior que a capacidade instalada da futura usina hidrelétrica de Belo Monte, em construção no Rio Xingu, no Pará.

Outro entrave citado no documento está ligado à falta de mão-de-obra e de tecnologias para suprir o setor, o que inviabilizaria uma “arrancada” na expansão desta forma de geração de eletricidade. Sobre a energia solar, o relatório aponta que se fosse aproveitada a luz solar para consumo elétrico em menos de 3% da área urbanizada do Brasil, seria possível atender a 10% de toda a demanda atual de energia elétrica do país.

No entanto, projetos do governo que implantam placas solares em regiões distantes dos grandes centros consumidores torna inviável economicamente a construção de redes de transmissão. “Os maiores entraves ao aproveitamento e à expansão da energia solar no Brasil seguem sendo a falta de incentivos e políticas públicas que consolidem a indústria e o mercado”, informa o documento.

Desperdício e custo maior ao consumidor
O texto faz críticas à política brasileira de geração de energia por hidrelétricas e aponta possíveis prejuízos ao meio ambiente e a culturas indígenas devido a implantação de empreendimentos na Amazônia.

O relatório afirma também que o país tem registrado grandes perdas de quantidades de energia elétrica devido a problemas no sistema de transmissão elétrico. Baseado em dados Tribunal de Contas da União (TCU), o documento diz que em 2004 as perdas técnicas (causadas pelas peculiaridades do sistema) e comerciais (por exemplo, instalação de “gatos”) de energia no país foram de 20,28% do total gerado.

O índice supera em muito os registrados em países vizinhos como Chile (5,6%) e Colômbia somadas (11,5%%) no mesmo período. Ainda segundo o relatório, tais perdas teriam causado um reajuste de ao menos 5% na tarifa ao consumidor.
 

Energia solar é alternativa para obter eletricidade em meio à reserva ambiental (Foto: Mariane Rossi/G1)
Energia solar é alternativa para obter eletricidade em meio a reserva ambiental.
Distância de grandes centros consumidores inviabiliza instalação de redes transmissoras.

Perda é inevitável, diz operador nacional
De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a perda técnica é inevitável e está associada ao processo de transmissão. Segundo o órgão, o aquecimento dos cabos durante as transmissões provoca tais extravios, considerados naturais e com índices que se igualam a padrões mundiais.

Sobre as perdas comerciais, o ONS afirma que é um problema que deve ser resolvido pelas distribuidoras, já que seriam provocadas por vários fatores, entre eles, ligações clandestinas (conhecidas como gatos) em diversas cidades.

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), entre 2007 e 2010 as perdas técnicas de energia no país atingiram índice de 7%. A Aneel não divulgou o percentual de perdas comerciais para o mesmo período.

Primeira senadora abertamente gay é eleita sem levantar bandeira do movimento

A democrata Tammy Baldwin tornou-se na terça-feira a primeira senadora americana abertamente gay, embora as bandeiras do movimento GLBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros) não tenham sido temas centrais nem em sua campanha, nem no discurso de agradecimento feito após o anúncio da vitória.

Tammy Baldwin (Foto AP)

“Estou ciente de que serei a primeira integrante do Senado americano abertamente gay, mas não concorri nessas eleições para fazer história e sim para fazer a diferença”, explicou Baldwin, prometendo lutar por toda a classe média de seu estado, Wisconsin.

“Quero fazer a diferença na vida de famílias que estão lutando para conseguir trabalho e pagar as contas, na vida de estudantes preocupados com suas dívidas, idosos preocupados com suas aposentarias e veteranos (das Forças Armadas) que lutaram por nós e agora precisam de alguém para lutar por eles e por suas famílias.”

Baldwin, de 50 anos, derrotou o ex-governador de Wisconsin Tommy Thompson e assumirá a cadeira do senador democrata Herb Kohl, que se aposentou após quatro mandatos.

Trajetória

A democrata manteve uma relação de 15 anos com a advogada Lauren Azar, de quem se divorciou em 2010.

Em 1998, ela tornou-se a primeira candidata abertamente gay a ser eleita para a Câmara dos Deputados (embora outros deputados já tivessem se declarado homossexuais depois de assumir o cargo). E nos anos seguintes, foi reeleita sete vezes (nos EUA há eleições para deputados a cada dois anos).

A vitória de Baldwin foi celebrada pelos movimentos de defesa dos direitos homossexuais nos EUA como um passo importante para ampliar a diversidade da composição do Senado e ajudar na defesa de suas bandeiras na Casa.

A senadora eleita de fato sempre defendeu causas do movimento, como a legalização do casamento gay e o repúdio à chamada política do ‘não pergunte, não conte’ nas Forças Armadas dos EUA, mas esses temas não chegaram a ser centrais em sua campanha pelo Senado.

Badlwin ganhou o eleitorado prometendo lutar contra o desemprego com estímulos a investimentos em infraestrutura, educação e pesquisa. Ela também prometeu ajudar a levar adiante as reformas no sistema de saúde americano iniciadas na gestão Barack Obama e procurou caracterizar seu opositor como o “candidato dos ricos”.

Controle do Senado

Todd Akin (Foto AP)Todd Akin perdeu a disputa pelo Senado após fazer declarações polêmicas sobre estupro

Os democratas mantiveram o controle do Senado dos EUA nas eleições de terça-feira, com vitórias em disputas apertadas em Massachusetts, Indiana e Virgínia. Mas os republicanos também conseguiram manter sua maioria na Câmara dos Deputados.

No Senado, a vitória democrata foi facilitada pela derrotada de dois republicanos que fizeram comentários controversos sobre “estupro” e “aborto”.

Um deles foi Richard Mourdock, candidato por Indiana, que defendeu em um debate que uma gravidez após um estupro seria “algo que Deus queria que acontecesse”.

Candidato do movimento ultraconservador Tea Party, ele perdeu a disputa por uma vaga no Senado para o democrata Joe Donnelly, apesar de ter começado a disputa como favorito.

Outro republicano derrotado após fazer declarações polêmicas nessas áreas foi o deputado e candidato ao Senado por Missouri Todd Akin, que disse, em uma entrevista, que os corpos das mulheres são naturalmente capazes de evitar gravidez caso elas sejam vítimas de um “legítimo estupro”.

Polêmica

O deputado foi questionado se acreditava que o aborto deveria ser proibido mesmo quando a gravidez fosse resultado de um estupro.

“Parece-me, pelo que entendi dos médicos, que isso é muito raro. No caso de um ‘legítimo estupro’, o corpo feminino tem maneiras de bloquear essa coisa toda”, disse Akin, membro da comissão de Ciência da Câmara dos deputados.

“Mas vamos supor que, talvez, esse mecanismo não funcione… Acho que deveria haver uma punição – mas é o estuprador quem deveria ser punido, não a criança.”

Até o momento da entrevista, Missouri era considerado um dos estados em que os democratas mais teriam dificuldade para vencer.

Com a polêmica, a democrata Claire McCaskill não teve muita dificuldade em ganhar a disputa com Akin. Os próprios republicanos criticaram o deputado e doadores resolveram suspender o financiamento à sua campanha.

Congestionamento de site leva BB a prorrogar até hoje inscrição para concurso

A taxa de R$ 40 poderá ser paga até o dia 30 deste mês.

A grande procura de última hora pelo concurso que o Banco do Brasil (BB) fará em 15 estados, provocou sobrecarga no site da Fundação Carlos Chagas (FCC), encarregada da seleção, e alguns candidatos não conseguiram concluir as inscrições. Isso fez com que o BB prorrogasse o prazo de inscrições, que terminaria às 14h de ontem (5), para as 14h de hoje (6).

O concurso vai formar cadastro de reserva para o cargo de escriturário nos estados do Acre, Amapá, Amazonas (parte do estado), Ceará, Maranhão, de Mato Grosso, do Paraná, Piauí, Rio Grande do Norte, da Paraíba, de Pernambuco, Rondônia, Roraima, Santa Catarina (parte do estado) e Sergipe.

Para participar, é preciso ter certificado de conclusão ou diploma de curso de nível médio e idade mínima de 18 anos completos até a data da contratação. A jornada de trabalho é 30 horas semanais, com remuneração de R$ 1.892,00 mensais, vale-alimentação de R$ 367,92 e auxílio-refeição de R$ 472,12.

O candidato fará prova objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, com questões de conhecimento básico, que incluem língua portuguesa, atualidades do mercado financeiro, matemática e raciocínio lógico. Fará também uma prova de conhecimentos específicos, que abrangem informática, atendimento público, técnicas de vendas, cultura organizacional e conhecimentos bancários.

Junto com a prova objetiva, agendada para o dia 13 de janeiro de 2013, será exigida a redação, de caráter eliminatório,mas só serão avaliadas as redações dos candidatos habilitados e mais bem classificados nas provas objetivas. Na segunda etapa, serão feitos exames médicos e procedimentos admissionais, de caráter eliminatório.

Os candidatos empossados terão possibilidade de ascensão e desenvolvimento profissional, participação nos lucros ou resultados, nos termos da legislação pertinente e acordo sindical vigente, além de planos assistenciais e previdenciários complementares.

O edital completo do concurso está disponível no endereço http://www.bb.com.br/docs/pub/siteEsp/SelExt2012003.pdf, e as inscrições podem ser feitas no www.concursosfcc.com.br. A taxa de R$ 40 poderá ser paga até o dia 30 deste mês.

Primeira delegacia especializada em crimes virtuais é inaugurada em SE

Unidade foi instalada no prédio da Delegacia Plantonista, em Aracaju.
‘Trabalho é interligado com polícias estaduais e federais’, diz delegado.

Caso foi registrado na Delegacia Plantonista (Foto: Fredson Navarro / G1)

Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos irá
funcionar no prédio da Delegacia Plantonista.

Sergipe agora conta com a primeira delegacia especializada em crimes virtuais. Inaugurada na última quinta-feira (02), a Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC) funciona no mesmo prédio do Complexo de Polícia Especializada, em Aracaju, e vai trabalhar em parceria com outras unidades policiais em nível estadual e federal.

Por meio da parceria entre o Banco do Estado de Sergipe (Banese) e a Secretaria de Segurança Pública (SSP), a DRCC vai funcionar tanto no atendimento direto ao cidadão, como para as instituições prejudicadas por crimes virtuais, fraudes bancárias, pedofilia e crimes contra a honra. O Secretário da SSP, João Eloy, espera que com essa nova delegacia diminua-se os prejuízos causados na internet. “Até o momento não tínhamos uma delegacia nessa área, agora pretendemos ampliar a segurança e a investigação”, espera o secretário.

Para comandar essa nova unidade policial foi designado o delegado Alessandro Vieira. Ele afirma que todo o trabalho da DRCC funcionará em parceria com a Delegacia de Apoio a Grupos Vulneráveis (DAGV), Centro de Operações Policiais Especiais (COPE), Polícia Militar e Civil de Sergipe e de outros estados, além da Polícia Federal.

“Apesar de recém-inaugurada, a delegacia já investiga dois casos em parceria com a delegacia especializada de São Paulo. É importante ressaltar também que todo o caso de crimes na internet vai ser investigado por essa delegacia, contudo o cidadão pode fazer sua denúncia em qualquer unidade do estado”, esclarece.

Estrutura 
Alessandro Vieira explica que os policiais que vão trabalhar na mais nova delegacia de Sergipe passaram e terão uma formação continuada em crimes cibernéticos para melhor solucionar os casos de investigação. Também ressalta que até o final do ano serão disponibilizadas ao cidadão cartilhas educativas para explicar o que é um crime cibernético e a maneira de se proteger.

“Precisamos muito da ajuda da população, no tocante a prevenção diária. De pais que estejam atentos aos sites que os filhos estão acessando, de onde deixamos cadastradas nossas senhas entre outros cuidados que fazem a diferença”, pontua.

A Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos funciona no 3º andar do Complexo de Polícia Especializada, mesmo prédio da Delegacia Plantonista, situada na Rua Laranjeiras, nº 960, Centro de Aracaju.