Arquivo da tag: advogado

Jack Reacher: O Último Tiro Torrent – BluRay Rip 1080p Dual Áudio (2012)

Novo Anuncio

Jack Reacher - O Último Tiro Torrent - BluRay Rip 1080p Dual Áudio

Sinopse: Jack Reacher: O Último Tiro Torrent – BluRay Rip 1080p Dual Áudio (2012) Um crime brutal foi cometido contra cinco pessoas ao mesmo tempo e um atirador de elite, veterano de guerra, foi acusado pelos assassinatos sem muita chance de defesa. Durante o interrogatório, ele cita apenas o nome de Jack Reacher (Tom Cruise), um ex-combatente com inúmeras condecorações, dado como desaparecido para o governo e autoridades. Só que ele aparece do nada e resolve investigar por conta própria o tal mistério. Sua teoria é que existe uma ligação entre as mortes e o verdadeiro responsável tem outros interesses, procurando desviar a atenção. Só que Jack não desiste da verdade e tem um jeito especial de fazer a sua justiça, doa a quem doer.

»INFORMAÇÕES«
Filme: Jack Reacher: O Último Tiro
Formato: MKV
Qualidade: BluRay Rip
Áudio: Português / Inglês
Legenda: Português
Servidor: Torrent
Gênero: Ação / Crime / Thriller
Tamanho: 2.13 GB
Qualidade de Áudio: 10
Qualidade de Vídeo: 10
Lançamento: 2012
Duração: 2h 10 Min.

BLU-RAY RIP 1080p DUAL ÁUDIO:

DownloadDownload 2ª Opção

Anúncios

Ação de moradores tenta defender natureza na Pampulha.

 (Cristina Horta/EM/D.A Press.)

Moradores do Bairro Castelo, na Pampulha, fizeram uma manifestação na manhã de ontem para manter um quarteirão inteiro como área de preservação ambiental. Na semana passada, segundo eles, a prefeitura começou o trabalho de sondagem do terreno para construção de uma unidade de pronto atendimento (UPA). A área é compreendida pelas ruas Castelo da Beira, Castelo de Castro, Castelo de Setúbal e Castelo de Lamego. Um abaixo-assinado já em 921 assinaturas, sendo 121 pela internet.

O advogado André Luiz Hallel, de 33 anos, conta que a área já estava destinada à preservação ambiental desde o loteamento do bairro. “A prefeitura mudou a destinação do terreno sem consultar os moradores. A nossa expectativa é de que a área seja transformada em um parque”, disse o advogado, que reclama de falta de diálogo por parte da Regional Pampulha.

A estudante Tâmisa Carvalho, de 23, disse que os moradores não são contrários à construção da UPA. “Somos a favor da saúde pública, mas a UPA deve ser construída em uma área que atenda melhor toda a região”, disse Tâmisa. Os manifestantes afirmaram que o bairro tem o trânsito congestionado e que outros bairros próximos seriam mais bem servidos com a unidade de saúde. “Temos várias espécies de árvores e aves no terreno, como corujas e tucanos. Se for preciso, vamos entrar com uma ação judicial para embargar a obra”, disse André. O abaixo-assinado será encaminhado ao prefeito Marcio Lacerda e à Câmara Municipal. Ninguém da Regional Pampulha foi encontrado para falar sobre o assunto.

Polícia prende mais suspeitos de participarem de mortes em UTI.

Foram expedidos quatro mandados de prisão neste sábado (23).
Chefe do departamento é suspeita de provocar mortes para liberar leitos.

A polícia cumpre neste sábado (23) quatro mandados de prisão relacionados às mortes na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Geral do Hospital Evangélico, em Curitiba. Três pessoas já foram detidas. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do estado do Paraná, os mandatos são contra profissionais que trabalhavam no departamento diretamente com a médica Virgínia Soares Souza, que é suspeita de definir quais pacientes seriam mortos dentro da UTI. Como o inquérito tramita em caráter sigiloso, a polícia não divulgou detalhes da prisão.

A investigação de denúncias que pacientes foram mortos dentro da UTI se tornou pública após a prisão da médica Virgínia Soares Souza, que era chefe do setor. Ela está detida desde terça-feira (19), após uma operação policial que também recolheu prontuários médicos. Ela foi indiciada por homicídio qualificado, ou seja, por acelerar a morte de pacientes sem chances de defesa. A ação, de acordo com a polícia, tinha como objetivo liberar leitos na UTI do Evangélico. Após a prisão, o hospital divulgou nota afirmando que o caso é pontual e aconteceu em uma das quatro UTIs do hospital, na qual toda a equipe foi substituída. No total, 47 pessoas, entre 13 médicos e 34 enfermeiros.

Trechos de gravações do depoimento prestado pela médica foram obtidos com exclusividade pela RPC TV. Nas transcrições, ela afirma que foi mal interpretada por falas como “Quero desentulhar a UTI que está me dando coceira”. A frase teria sido dita pela médica, mas a origem da gravação não foi informada pela polícia.

O advogado que defesa da médica, Elias Mattar Assad, afirma que não há provas contra Virgínia Soares Souza. O jurista afirmou que cada um dos detidos neste sábado possui advogado e que eles devem unificar a defesa para trabalharem juntos.

Na sexta-feira (22), a médica divulgou um manifesto público no qual afirma que a medicina está em risco no Brasil. “O livre exercício da medicina está em risco no Brasil”, diz trecho do documento. Ela afirma que se o modelo de investigação da polícia paranaense obtiver êxito, qualquer morte em UTI poderá ser considerada imperícia ou mesmo homicídio qualificado. “A ciência médica não pode ser relativizada ou mesmo inviabilizada no seu livre e ético exercício, pelos altos riscos a que doravante estarão expostos os seus profissionais”, diz outra parte do manifesto. O texto ainda classifica a investigação como “o maior erro investigativo e midiático da nossa história”.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, a polícia solicitou a quebra de sigilo da investigação à Justiça. Caso o pedido seja acatado, mais detalhes serão divulgados.

Governo chinês reconhece existência de ‘aldeias de câncer’ no país.

Termo define locais poluídos onde a incidência da doença é maior.
Poluição cresceu muito ao longo das últimas três décadas na China.

Rio poluído em Luikuaizhuang, na China (Foto: AFP/Frederic J. Brown/Arquivo)

Rio poluído em Liukuaizhuang, na China.

O ministério chinês do Meio Ambiente reconheceu a existência de “aldeias de câncer”, que são localidades onde a doença é mais comum devido a resíduos tóxicos liberados no ambiente. O reconhecimento vem anos depois de relatos de um número de casos da doença maior do que a média em algumas regiões do país, particularmente poluídas.

“Alguns produtos químicos tóxicos e prejudiciais provocaram inúmeras situações de emergências para a água e atmosfera, e alguns locais apresentam até mesmo ‘aldeias de câncer'”, admitiu o ministério em um relatório divulgado esta semana e anexado ao plano quinquenal 2011-2015.

A expressão “aldeias de câncer” nunca tinha sido utilizada pelas autoridades, que precisam enfrentar o descontentamento dos habitantes ante a degradação do ambiente por resíduos industriais, substâncias tóxicas na água e ar carregado de partículas finas.

A poluição na China aumentou consideravelmente com a rápida industrialização do país durante as últimas três décadas.

Muitas cidades chinesas estão entre as mais poluídas do mundo, mas a poluição não está limitada as cidades.

Não existe uma definição precisa para “aldeias de câncer”, mas o termo é muito difundido nos meios de comunicação, especialmente após a publicação em 2009 por um jornalista chinês de uma mapa com dezenas destas aldeias.

O governo reconhece que “produtos químicos tóxicos e prejudiciais”, geralmente proibidos nos países desenvolvidos, são usados na China e “são potencialmente perigosos para a saúde humana e o meio ambiente a longo prazo”.

Esta é a primeira vez que o termo “aldeia de câncer” aparece em um documento oficial do ministério, de acordo com o advogado especialista em questões ambientais Wang Canfa, que dirige um centro para vítimas da poluição em Pequim.

“Isso mostra que o ministério do Meio Ambiente reconheceu que a poluição provoca câncer”, declarou Wang à AFP, acrescentando que agora, perturbações para a saúde e a degradação ambiental vão “chamar a atenção “.

Um funcionário do ministério não quis confirmar se a menção de “aldeias de câncer” foi realmente feita pela primeira vez, destacando que o governo tinha estabelecido no passado uma ligação entre o meio ambiente e a saúde.

Doadores de esperma ganham acesso a filhos na Justiça.

Uma decisão polêmica de um tribunal britânico pode garantir que doadores de esperma tenham acesso às crianças que ajudaram a gerar na Grã-Bretanha.

Óvulo e esperma (BBC)

Decisão polêmica foi tomada em caso envolvendo três casais gays que se conheciam.

A decisão foi tomada em um processo envolvendo três casais gays amigos que mantêm uniões civis estáveis.

No caso, dois casais de lésbicas fizeram um arranjo para conseguir doações de esperma de um casal gay masculino para conceber três crianças.

No arranjo, as quatro mulheres teriam dado a entender que os dois homens teriam acesso às crianças, mas, com o tempo, os três casais começaram a divergir sobre esses contatos.

Por isso, os doadores de esperma entraram com um processo na Justiça pedindo para ter acesso garantido aos filhos biológicos e alguma voz na forma como eles estão sendo criados.

Os casais de lésbicas argumentavam que tal acesso atrapalharia sua vida familiar, mas a Justiça britânica acabou decidindo favoravelmente aos pais biológicos das crianças.

Mudança de regras

Apesar de a decisão envolver casais que se conheciam, especialistas avaliam que a decisão poderia ser aplicada também a casais gays e heterossexuais que pretendem conceber filhos usando doações de esperma de desconhecidos.

Por isso, alguns levantam a necessidade desses casais, a partir de agora, estabelecerem um acordo escrito com os doadores definindo claramente como seria o seu relacionamento com a criança.

“Embora a decisão do juiz deixe claro que a unidade da família deve ser preservada, a possibilidade de que os doadores de esperma possam apelar para os tribunais (para ter mais contato com as crianças) abre uma perspectiva assustadora para muitos pais, tanto gays como heterossexuais”, disse o advogado Kevin Skinner, que defendeu um dos casais de lésbicas.

Desde 2008, a lei britânica garante os mesmos direitos a casais gays e heterossexuais que se submetem a tratamentos de fertilização artificial para ter filhos.

Mas desde 2005 os tribunais do país derrubaram o direito ao anonimato de doadores de esperma.

Isso, segundo a Sociedade de Fertilização Britânica (BFS na sigla em inglês), contribuiu para reduzir o número de voluntários para as doações na Grã-Bretanha e para alimentar o que vem sendo chamado de turismo da fertilidade – os movimentos transfronteiriços de pacientes que buscam países com legislações menos rígidas e preços mais acessíveis para tratamentos de fertilização.

Chris Brown aparece engessado após briga com Frank Ocean.

Cantor foi fotografado em frente à sua casa pelo site TMZ.
Conflito ‘intenso’ entre as duas partes aconteceu neste domingo (27).

Matéria publicada nesta terça-feira (29), no site TMZ, mostra Chris Brown com a mão enfaixada após briga com Frank Ocean (Foto: Reprodução/ Site Tmz.com)

Matéria publicada nesta terça-feira (29), no site TMZ, mostra Chris Brown com a mão engessada após briga com Frank Ocean.

Chris Brown foi fotografado nesta terça-feira (29), em frente à sua casa, com a mão direita engessada após ter brigado com Frank Ocean na noite de domingo em um estúdio de gravação de Los Angeles, nos Estados Unidos, segundo imagem divulgada pelo TMZ.

De acordo com o site de celebridades, Mark Geragos, o advogado de Brown, já entrou em contato com os detetives para dizer que o cantor está disponível e pronto para contar em detalhes o que aconteceu durante o conflito e para alegar que não fez nada de errado.

Geragos afirma ter uma cópia do vídeo da câmera de segurança com o registro da parte final da discussão, na qual mostra que Brown não está envolvido na luta, assim como Ocean. Segundo o TMZ, o confronto acontece entre os amigos das duas partes.

O site informa ainda que a polícia foi chamada e está tratando Frank como “a vítima”, pois ele teria sido o único a permanecer no local do incidente e dar depoimento, alegando ter recebido um soco e ter sido ferido. Entretanto, o advogado de Brown diz que o cantor deixou o lugar por obedecer a uma ordem de se afastar imediatamente de qualquer tipo de confusão.

Os cantores Frank Ocean e Chris Brown (Foto: AP e Phil McCarten/Reuters)
Os cantores Frank Ocean e Chris Brown.

O confronto do domingo foi “intenso” e ocorreu após uma discussão por uma vaga de estacionamento. Até o momento, ninguém teria prestado queixa e nenhuma prisão teria sido feita. A reportagem diz que Chris Brown estava no estúdio Westlake para ouvir um músico com quem trabalha. Citando fontes não identificadas, descreve que Chris estava deixando o local quando foi impedido de prosseguir por Frank Ocean, que estava acompanhado de alguns amigos. Ocean teria dito: “Este estúdio é meu, esta é minha vaga de estacionamento”.

O texto descreve que Chris, inicialmente, foi “apertar a mão de Frank”. Nesse momento, “um dos colegas de Frank atacou Chris”. Em seguida, um amigo deste último teria agredido o amigo de Frank. A partir daí, os dois músicos começaram de fato a brigar.

 

Assalto ao prédio da Secretaria de Segurança Pública é investigado.

Secretaria estadual sofreu assalto nesta terça-feira, 23.
Funcionários foram rendidos; homens levaram dinheiro, jóias e celulares.

A polícia investiga a invasão ao prédio da ouvidoria da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Segup), em Belém. Dois homens armados fizeram pelo menos dez funcionários reféns e roubaram dinheiro, jóias e telefones celulares nesta terça-feira (22).

Gavetas e documentos ainda estavam revirados na manhã desta quarta-feira (23) na ouvidoria do Sistema de Segurança Pública. Algumas portas tinham marcas de arrombamento. Salas estavam com os vidros quebrados.

Os servidores passaram o dia organizando o local depois do assalto que ocorreu nesta terça-feira (22). Segundo testemunhas, dois homens armados entraram no prédio e levaram dez funcionários para uma sala. O grupo foi obrigado a deitar no chão durante o roubo

Os assaltantes também invadiram a sala onde estavam em reunião a ouvidora, uma assessora e dois advogados. Todos foram rendidos com violência.

“Ele entrou já com uma arma na mão e não falou que era um assalto. A gente se assustou e ele disse que era para ficar todo mundo quieto. O nosso advogado até achou que era uma execução, alguma coisa assim”, conta Jalva Braga, assessora.

“Eu vi uma moto parada aqui na frente, uma moto vermelha, nova. Esse horário de meio-dia até duas horas da tarde fica muito ermo. Precisa de uma segurança melhor”, diz Márcio Araújo, autônomo.

A ouvidoria funciona há pelo menos seis anos em um prédio localizado na Rua presidente Pernambuco, no bairro da Campina, em Belém. O portão principal está trancado há três anos. Segundo a ouvidoria, para evitar assaltos. A entrada é pelos fundos do prédio, mas o portão não possui cadeado e o local está sem vigilância.

  A ouvidora explica que em um ano enviou três ofícios à Segup pedindo a reforma do prédio e a instalação de um sistema monitoramento eletrônico. 

“Foi aprovado na reunião de dezembro de 2012 a implementação dessa solicitação, tanto da reforma quanto da instalação dos equipamentos”, diz Eliana Fonseca, ouvidora da Segup.

O caso está sendo investigado pela Divisão de Operações Especiais (DIOE) da Polícia Civil, que já ouviu testemunhas e está fazendo o retrato falado dos assaltantes.

Lei ‘Carolina Dieckmann’ só vale para PCs protegidos, diz advogado.

Usuário precisa se adaptar para ser protegido pela lei.
Outra dica é colocar senha em rede Wi-Fi, informam advogados.

Carolina Dieckmann (Foto: Guto Maia/Brazil Photo Press/AE)

A atriz Carolina Dieckmann.

A lei “Carolina Dieckmann”, sancionada pela presidente Dilma Rousseff na última sexta-feira (30), só valerá para computadores que tenham algum tipo de proteção, segundo o advogado Renato Opice Blum, especializado em direito digital.

O projeto de lei aprovado torna crime a invasão de “dispositivo informático alheio, conectado ou não a rede de computadores, mediante violação indevida de mecanismo de segurança e com o fim de obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização expressa ou tácita do titular do dispositivo, instalar vulnerabilidades ou obter vantagem ilícita.”

Segundo Opice Blum, o usuário precisa ter em sua máquina um “mecanismo de segurança” para provar que houve a violação. “Quem quiser usar a proteção da lei vai ter que ter um mecanismo de segurança, como um firewall ou uma barreira de hardware”, explica.

Para Victor Haikal, advogado especialista em direito digital e sócio do Patrícia Peck Advogados, a lei diz que é preciso ultrapassar um mecanismo de segurança, mas o texto não define exatamente qual. Segundo ele, se a máquina tiver uma senha, ela já terá um “mecanismo de segurança” a ser quebrado.

Opice Blum conta que as invasões feitas por meio de redes Wi-Fi abertas não se enquadram na lei, então é recomendável colocar ao menos uma senha.

Os mais “curiosos” também terão que mudar seu comportamento, explica o advogado. “Com a lei, se a pessoa entrar em um sistema com o propósito específico de quebrar ou burlar um dispositivo de segurança e, a partir dai, obter uma informação, ela pode estar praticando um crime”, explica Opice Blum.

O projeto também enquadra casos específicos como o de companheiros que entram nos computadores de seus namorados ou namoradas para obter informações. “Se você sabe a senha da sua esposa, entra na máquina e divulga informações, você pode ter que pagar pelo crime de acordo com o projeto aprovado”, diz Haikal.

Muda também a vida das assistências técnicas, segundo Opice Blum. Ele conta que as empresas deverão reformular seus contratos para que o usuários dê a autorização para a verificação da parte protegida da máquina.

Projeto de lei
O projeto sancionado ficou conhecido como lei “Carolina Dieckmann” após roubo de 36 fotos íntimas da atriz, que foram parar na internet. 

Além de tornar crime a invasão de máquinas, a lei também estabelece pena de até um ano de prisão para “quem produz, oferece, distribui, vende ou difunde programa de computador” com objetivo de causar dano. O objetivo é punir quem cria e dissemina vírus de computador e códigos maliciosos empregados para o roubo de senhas, por exemplo.

Quando a invasão ocorrer para obter mensagens de e-mails, a proposta prevê pena maior – de seis meses a dois anos, além de multa. A proposta não prevê punição penal para o acesso a sistemas fechados para testes de segurança.

A lei entra em vigor daqui a 120 dias (cerca de 4 meses).

Paparazzo que teria imagens íntimas de Isis Valverde já foi identificado.

Segundo advogado da atriz, o crime teria sido cometido por um grupo de pessoas, incluindo o vizinho da atriz.

Isis Valverde comemora os 23 anos do namorado, Tom Rezende, no Rio (Foto: Rodrigo dos Anjos/Divulgação)

Isis Valverde e Tom Rezende.

O paparazzo que diz ter feito um vídeo de Isis Valverde com seu namorado, Tom Rezende, em situações íntimas na cobertura da atriz, no Rio, já foi identificado pela polícia. De acordo com o advogado de Isis, Ricardo Brajterman, do escritório Cândido de Oliveira, responsável pelo caso, o crime foi realizado por um grupo de pessoas, incluindo o dono do apartamento que cedeu o imóvel para a realização das supostas imagens.

Segundo Brajterman, a existência do vídeo ainda é uma incógnita. A delegacia de crimes eletrônicos está encarregada de apreender o computador do fotógrafo para investigar a veracidade dessas imagens. “Não sabemos se existem essas imagens. Mas o fotógrafo será processado nas esferas civil e criminal. Existe aí um crime de invasão de propriedade, que foi o de registrar imagens da atriz em sua casa; de pertubação do sossego e de ameaças, colocando Isis em situação vexatória e de nervoso”, explicou o advogado.

De acordo com ele, a notícia do suposto vídeo chegou até Isis Valverde através de amigos dela, que tomaram conhecimento das imagens pelo próprio autor do crime. “Talvez para se vangloriar do que fez, ele também espalhou a notícia para paparazzi do meio.”

Isis desconhece vídeo

Na semana passada, quando a notícia veio à tona, o escritório da atriz disse que Isis desconhecia a existência do video, mas que já havia acionado seu departamento jurídico para tomar as providências cabíveis no caso. Confira o comunicado na íntegra.

“Diante das notícias da existência de um suposto vídeo com imagens da intimidade da atriz Isis Valverde, informamos que é do seu desconhecimento qualquer conteúdo a esse respeito, e que eventual vídeo, se existente, foi obtido de forma ilícita. Não obstante isso, o assunto já foi encaminhado a nossa assessoria jurídica, que tomou as providências necessárias para encerrar o assunto. Aproveitamos para informá-los que os responsáveis pela divulgação da notícia serão intimados em breve para prestar esclarecimentos.”

Polícia suspeita que hóspede tenha participado de crime em hotel no Rio

Moradoras de Brasília, elas estão no Rio para ir ao show de Lady Gaga.
Homem teria rendido as duas jovens e entrado no quarto delas no hotel.

A Polícia Civil afirmou, na noite desta sexta-feira (9), que não descarta a participação de um hóspede no ataque a duas jovens no Hotel San Marco, em Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Segundo relato das vítimas, as duas teriam sido espancadas, e uma delas ainda teria sido estuprada por um homem dentro do quarto.

De acordo com a polícia, funcionários do hotel serão chamados para depor nos próximos dias.

Crime dentro do hotel
As duas estudantes de direito, que moram em  Brasília e vieram ao Rio para assistir ao show da cantora Lady Gaga, disseram ter sido espancadas no quarto onde estão hospedadas. Uma delas teria sido violentada, segundo o advogado Paulo Ramalho, que representa as vítimas. O homem teria fugido com malas e pertences das jovens.

De acordo com o advogado, as duas meninas, uma de 18 e outra de 19 anos, saíram para uma boate, retornaram por volta de 4h e viram um homem que consideraram suspeitos nas imediações do hotel. Segundo Ramalho, quando elas subiram, deram de cara com o mesmo homem na porta do quarto. “Elas correram para dentro do hotel, se dirigiram até a recepção, pegaram as chaves e subiram normalmente. Quando chegaram na porta do quarto, aquele sujeito suspeito estava na porta com uma arma, as obrigou a entrar no quarto, agrediu as duas. Violentou uma delas, não violentou a segunda porque ela estava menstruada. Ele espancou as duas e saiu tranquilamente do hotel”, disse o advogado.

Criminoso também teria roubado pertences
Ainda segundo o advogado, o homem trancou a porta e conseguiu sair do local arrastando malas e pertences. “Ele roubou diversos pertences e saiu tranquilamente do hotel. O hotel tem sistema de câmeras, mas a gerente informou que nada foi gravado. Estamos aguardando as imagens dos vizinhos, comércio, rede bancaria, farmácia e vamos identificar essa pessoa.” Uma gerente do hotel foi à delegacia para prestar depoimento, mas até as 16h não havia conversado com a equipe de reportagem.

Ramalho disse que as estudantes gritaram por socorro, mas ninguém ouviu já que estavam hospedadas no último andar. Elas prestaram depoimento na 14ª DP (Leblon) e fizeram exame de corpo de delito. O Hotel San Marcos não tinha se pronunciado sobre o assunto até as 16h50. A polícia apreendeu um computador do hotel para analisar possíveis imagens do circuito interno.

Crime semelhante
O crime acontece na mesma semana em que uma mulher do Espírito Santo foi estuprada em um apartamento alugado na Rua Joaquim Nabuco, área nobre de Copacabana, também na Zona Sul. O crime foi no domingo (4) e a jovem também teve pertences roubados.

‘Ela ficou em estado de choque’, diz advogado de jovem expulsa do Enem

Estudante foi confundida com homônima e eliminada por engano do exame.
Mercadante ligou para mãe de aluna, mas família quer retratação formal.

Estudante postou a foto do cartão de respostas do Enem (Foto: Reprodução)

Estudante postou a foto do cartão de respostas
do Enem e homônima foi desclassificada.

O advogado da família de Jacqueline Chen, de 16 anos, que foi expulsa da sala de provas e eliminada por engano do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), Evaristo Araújo, disse em entrevista  que a adolescente ficou em estado de choque quando foi retirada da sala de aula no domingo (5). O Ministério da Educação divulgou uma nota nesta quinta-feira (8) admitindo o erro ao confundi-la com outra candidata com o mesmo nome que teria postado na internet foto tirada de dentro da sala de provas.

“Os fiscais falaram que estavam cumprindo uma ordem de Brasília, que ela estava sendo eliminada por postar uma foto na internet. Jacqueline ficou isolada em uma sala por três horas sem nem poder ligar para mãe. Foi uma atitude totalmente arbitrária”, afirma Araújo. Ele disse que a garota ainda teve de assinar um termo, mas não ficou com uma cópia. Segundo o advogado, ao entrar na sala de aula, Jacqueline tirou a bateria do celular, e ficou sem entender o motivo da sua eliminação.

Fotos de cartões de respostas do Enem foram postadas nas redes sociais (Foto: Reprodução)

Fotos de cartões de respostas do Enem foram postadas no sábado.

Elize Matsunaga comprou serra antes de matar marido, diz babá

Reprodução de imagem de uma serra elétrica igual a que teria sido comprada por Elize Matsunaga.

SÃO PAULO – A babá Mauricéia José Gonçalves dos Santos prestou um depoimento de cerca de duas horas na tarde desta quarta-feira e afirmou que a técnica em Enfermagem Elize Matsunaga comprou uma pequena serra elétrica portátil horas antes de matar o marido, o empresário Marcos Kitano Matsunaga.

Segundo a polícia, Elize matou o marido com um tiro e depois o esquartejou no apartamento em que o casal morava, na Zona Oeste de São Paulo. Por mais que a serra não tenha sido usada, ganha força a versão da promotoria de que crime foi premeditado.

Segundo o advogado da família de Marcos, Luiz Flávio Borges D’Urso, que acompanhou o depoimento, a babá disse que ela, Elize e a filha do casal pararam em uma loja de ferramentas antes de embarcarem de Cascavel, no interior do Paraná, para São Paulo, e compraram uma serra. Elize teria aberto o pacote da serra e colocado em uma mala, na frente da babá. Ao chegar em casa, a babá tirou a serra da mala para guardá-la. Elize teria pedido a Mauricéia para deixar a ferramenta em cima da cama.

Segundo a babá, a família tinha uma serra idêntica a que foi comprada por Elize. O inquérito do caso foi reaberto a pedido do Ministério Público, para quem Elize teve ajuda para matar Marcos. O advogado de Elise nega.

‘Ela me tirou do sério’, diz suspeito de matar ex-mulher e filho de 4 anos

Suspeito de 24 anos ficou foragido por cinco dias após crime, em Cuiabá.
Crime ocorreu no Bairro Serra Dourada, na capital.

Suspeito chorou ao lado de advogado durante depoimento (Foto: Reprodução/TVCA)

Suspeito chorou ao lado de advogado durante
depoimento.

O homem após matar a tiros a ex-mulher de 23 anos, Ariele Lopes da Silva, e o próprio filho de apenas quatro anos de idade, confessou a autoria do crime após se entregar à Polícia Civil de Cuiabá. Geanderson Xavier Rangel, de 24 anos, decidiu contar detalhes do duplo homicídio durante depoimento nesta terça-feira (6), 24 horas depois de ter se entregado na Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP). 

“Ela [ex-mulher] me tirou do sério. Ela puxou o menino e eu atirei e pegou no menino. Eu não atirei nele, era para pegar nela. Jamais no menino”, declarou o suspeito chorando ao lado do advogado.

O crime ocorreu na última quinta-feira (1º), quando os corpos de Ariele e do garoto foram encontrados em uma residência do bairro Serra Dourada, na capital. As vítimas foram achadas mortas pela irmã de Ariele, no momento em que ela retornou da escola. Na segunda-feira (5), Geanderson se entregou à polícia, mas optou por se manter em silêncio no primeiro depoimento.

Já nesta terça-feira, Geanderson contou ainda que o crime não foi planejado. “Foi de última hora, teve aquela pressão. Mas jamais foi planejado isso”, disse. As investigações apontaram que no momento do crime a criança estava dormindo. O delegado João Bosco Ribeiro informou que a arma usada nos assassinatos foi entregue pelo suspeito, que vai responder por duplo homicídio qualificado. Conforme o delegado, mesmo com a confissão, as investigações no inquérito aberto para apurar o crime vão continuar.

 De acordo com informações de familiares, o casal estava separado há alguns meses, porém, eles vinham travando uma briga constante por conta do pagamento da pensão do filho. A jovem era estudante do curso de direito. O delegado João Bosco confirmou que o suspeito vai ficar detido na Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa até que a Justiça possa expedir o mandado de prisão preventiva, o que ainda não ocorreu.

As vítimas eram filha e neto de um sargento da PM e estavam sozinhas na casa do oficial no momento em que o suspeito foi até o local e as matou. O suspeito foi visto por vizinhos saindo da residência depois do crime e conseguiu fugir.

Acusação diz que Carla Cepollina vai “virar uma Pimenta Neves”

Se condenada, advogada poderá recorrer em liberdade.

Destino de Carla Cepollina deve ser decidido nesta quarta-feira.

Momentos antes de começar o terceiro dia do júri popular de Carla Cepollina, o assistente da promotoria, o advogado Vicente Cascione, afirmou nesta quarta-feira (7) que advogada vai “virar uma Pimenta Neves”, em referência ao jornalista que passou vários anos aguardando em liberdade o julgamento de um recurso após ter sido condenado em 2007. De acordo com Cascione, mesmo se condenada, a ré acusada de matar o coronel Ubiratan Guimarães, em setembro de 2006, poderá recorrer em liberdade.

Assim, até o julgamento deste recurso, ele deve continuar em liberdade, conforme explicou o advogado. Ela só seria presa, caso o Tribunal de Justiça julgue ela novamente condenada.

Depois das testemunhas que já falaram durante esta segunda-feira (5) e terça-feira (6), Cascione afirmou que as provas levarão a condenação dela.

—Ontem, ela tentou desqualificar as provas porque ela não tem defesa. Arrogância dela em plenário a ponto de ser expulsa pelo juiz.

Terceiro dia

O julgamento de Carla Cepollina, acusada de matar o ex-coronel da Tropa de Choque da Polícia Militar de São Paulo Ubiratan Guimarães, em 2006, foi retomado por volta das 11h10 desta quarta-feira (7). O júri foi iniciado na última segunda-feira (5).

Neste terceiro dia, deverá ser decidido o destino da advogada. O julgamento será retomado com os debates entre acusação e defesa que terão duração de três horas no total. Se o promotor solicitar réplica, os advogados de Carla terão o direito à tréplica. Cada lado tem 1 hora para expor suas argumentações.

Na etapa final, o Conselho de Sentença se reúne na Sala Secreta para realizar a votação dos quesitos, de determinará se a ré será condenada ou absolvida.

Segundo dia

Após cerca de 8 horas, o segundo dia do julgamento da advogada Carla Cepollina, foi marcado por atrasos e confusões. A exemplo do que ocorreu na segunda-feira (5), a sessão começou com atraso. Desta vez, o problema foi a falta de energia elétrica no Fórum Criminal Ministro Mário Guimarães, na Barra Funda, zona Oeste da capital paulista.

O júri, marcado para o meio-dia, só foi reiniciado por volta das 14h30. Os trabalhos foram retomados com a leitura dos depoimentos de testemunhas colhidos na fase de elaboração do inquérito policial e em juízo.

Um dos momentos mais aguardados foi a apresentação dos três depoimentos dados pela delegada de Polícia Federal Renata Azevedo dos Santos Madi, apontada como pivô da briga entre Ubiratan e Carla Cepollina. Em um deles, ela admitiu que estava apaixonada pelo coronel e que os dois, na época, mantinham “um relacionamento sexual superficial” devido a problemas de saúde da vítima.

A delegada mencionou ainda as mensagens que teria recebido de um dos celulares do coronel.Os torpedos supostamente foram enviados por Carla, que voltou a negar a suspeita.

Pouco depois das 17h, foi iniciado o interrogatório da ré. Ela respondeu a perguntas do juiz Bruno Ronchetti de Castro, do promotor João Carlos Calsavara, do assistente de acusação Vicente Cascione e dos advogados de defesa, Eugenio Malavasi e Liliana Prinzivalli, que também é mãe da acusada.

Demonstrando firmeza na maior parte do tempo, Carla também teve momentos de irritação. Ela chegou a pedir que o representante do Ministério Público a chamasse de doutora, alegando que era tão formada quanto ele. Minutos depois,quando já era interrogada por Cascione, que perguntou qual a dimensão do ego dela, disse que não fazia questão do tratamento.

A advogada argumentou que no ambiente jurídico, era normal ser chamada de doutora e que o promotor estava se referindo a ela ‘ostensivamente como dona Carla”. Admitiu que foi um “capricho de ego tolo” e que foi levada pelo momento. Dizendo-se arrependida, afirmou que não estava “em condições normais de temperatura e de pressão” em função das feridas que julgamento fazia voltar à tona.

Pouco antes das 22h, após o jantar dos jurados, a acusada começou a responder às questões apresentadas pela defesa, que durou menos de 20 minutos.

Primeiro dia

O primeiro dia de julgamento foi iniciado com três horas de atraso. Das 10 testemunhas convocadas — cinco de defesa e cinco da acusação, apenas três compareceram. Duas delas, Odete Odoglio de Campos, vizinha da vítima, e o delegado Marco Antonio Olivato, que presidiu o inquérito, foram ouvidos.

O depoimento mais longo foi o do delegado Olivato, que durou aproximadamente cinco horas.