Bicampeão do mundo, Djalma Santos morre aos 84 anos


Ex-jogador morreu em decorrência de uma pneumonia grave e instabilidade hemodinâmica culminando com parada cardiorrespiratória e óbito.

Djalma Santos com a taça da Copa do Mundo de 1958

Djalma Santos com a taça da Copa do Mundo de 1958: bicampeão do mundo em 1958 e 1962, o ex-jogador colecionou títulos com Portuguesa, Palmeiras e Atlético-PR

Faleceu nesta terça-feira, em Uberaba (MG), o ex-jogador Djalma Santos, bicampeão do mundo com a seleção brasileira de futebol. De acordo com o boletim médico divulgado pelo Hospital Hélio Angotti, o lateral morreu em decorrência de uma pneumonia grave e instabilidade hemodinâmica culminando com parada cardiorrespiratória e óbito às 19h30.

Mais cedo, também nesta terça-feira, o hospital mineiro havia informado que Djalma Santos havia tido uma recaída em seu quadro clínico e sido internado novamente na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na noite de sábado. Ele estava internado em Uberaba desde o dia 1.º de julho. Na manhã desta terça, Djalma Santos, de 84 anos, recebia ventilação mecânica com necessidade de suporte hemodinâmico”.

Bicampeão mundial com os títulos das Copas de 1958 e 1962, Djalma Santos vinha recebendo tratamento por causa de uma infecção respiratória aguda. A sua recuperação vinha sendo inconstante, pois ele havia deixado a UTI anteriormente no último dia 11.

Titular absoluto da seleção brasileira por mais de uma década, Djalma Santos foi eleito diversas vezes, nas mais variadas premiações, como o maior lateral-direito da história do futebol.

Djalma (que se chamava Dejalma) começou a carreira na Portuguesa, clube pelo qual conquistou duas vezes o Torneio Rio-São Paulo, em 1952 e 1955. Até hoje é o segundo jogador que mais vestiu a camisa lusitana.

Em 1959, já campeão do mundo com a seleção, se transferiu para o Palmeiras, onde marcou época, tendo atuado em 498 partidas (295 vitórias, 105 empates e 98 derrotas) e anotado dez gols. Conquistou o Campeonato Paulista de 1959, 1963 e 1966, a Taça Brasil de 1960 e 1967, o Torneio Rio-São Paulo de 1965 e Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1967.

Depois de quase 10 anos no Palestra Itália, encerrou a carreira no Atlético-PR, onde jogou por mais quatro anos, até os 42. O jogador, em mais de duas décadas jogando, nunca foi expulso de campo. Pela seleção, atuou em 110 partidas, tendo participado também das Copas de 1954 e 1966.

 

Fonte:  Exame.com

Anúncios

Deixe o seu comentário ele é muito importante para nós.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s