Cinco acusados do naufrágio do Costa Concordia são condenados


Costa Concórdia

Costa Concórdia.

Cinco réus no julgamento do naufrágio do navio de cruzeiro Costa Concordia, em janeiro de 2012 (32 mortos), foram condenados neste sábado a penas que variam de dois anos e dez meses a um ano e seis meses de prisão, informou a imprensa.

O Tribunal italiano de Grosseto (Toscana) concedeu aos acusados o chamado “pattegiamento”, que permite um acordo amigável quanto as sanções em troca de, pelo menos, o reconhecimento parcial da culpa.

O comandante Francesco Schettino, cujo julgamento foi iniciado quarta-feira, teve o pedido de “pattegiamento” negado pelo Ministério Público, que emitiu um parecer

desfavorável. Mas os seus advogados entraram com um novo pedido.

Quatro dos condenados, cujos advogados formalizaram as requisições de negociação de suas sentenças em maio, em uma audiência preliminar, estavam à bordo do navio no momento da tragédia, o quinto é o diretor da unidade de crise da Costa Crociere, Roberto Ferrarini.

Este último foi quem recebeu a pena mais dura, de dois anos e dez meses de prisão.

O gerente de bordo, Manrico Giampedroni, recebeu dois anos e seis meses de prisão e o oficial de bordo, Ciro Ambrosio, foi condenado a um ano e 11 meses de detenção. O timoneiro indonésio, Jacob Rusli Bin, foi condenado a um ano e oito meses, enquanto outra oficial à bordo, Silvia Coronica, foi condenada a um ano e seis meses, a menor pena.

O Ministério Público havia emitido um parecer favorável ao “pattegiamento” para estes cinco acusados.

Todos os condenados foram reconhecidos culpados de homicídios por imprudência e de terem ocasionado ferimentos por imprudência.

Ciro Ambrosio, Silvia Coronica e Rusli Bin também foram reconhecidos culpados de naufrágio por imprudência.

Ciro Ambrosio teve a sua pena diminuída graças à ajuda que forneceu aos passageiros quando eles tentavam deixar o navio.

O naufrágio do navio de cruzeiro terminou com a morte de 32 pessoas próximo a pequena ilha de Giglio, na Toscana.

Advogados do capitão Schettino consideram que a justiça tem aplicado “dois pesos e duas medidas” entre, por um lado, Francesco Schettino, e, por outro, as outras cinco pessoas que também tiveram responsabilidade no desastre.

A perspectiva da negociação das penas provocou a ira das vítimas, que querem justiça para seus mortos.

Na noite de 13 de janeiro de 2012, o navio de 114.500 toneladas atingiu um rochedo perto da costa e encalhou com 4.229 pessoas a bordo, incluindo 3.200 turistas.

Trinta e duas pessoas morreram, dois corpos nunca foram encontrados.

Entre as 250 parte civis do processo estão a Costa Crociere (grupo Carnival), proprietária do navio, o Estado italiano e a ilha de Giglio, onde a enorme carcaça repousa perto do porto.

 

 

Com informações de: Agências Internacionais e Angop

Anúncios

Deixe o seu comentário ele é muito importante para nós.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s